Pular para o conteúdo principal

Tudo Que O Católico Não Pode Falar

Jesus Cristo mais do que valores humanos, tratou de valores divinos. Jesus tinha absoluta ausência de maledicência, maus juízos, palavras ociosas, críticas negativas. 

A verdade e o amor, querer o bem das pessoas e falar bem delas – é um exemplo de beleza espiritual que deve nos atrair mais do que todas as belezas físicas do mundo. O traço interior da beleza humana: o que sinto pelas pessoas e o que falo delas. A pessoa deve ter a preocupação diária de não falar mal dos outros : “Não julgueis para não serdes julgados.” 

Na vida de algumas pessoas está escondida esta harmonia na consideração que fazem sobre os outros. As críticas negativas nos tornam muito feios. O caráter disforme das maledicências enfeia nossa vida. Sem críticas negativas nossa vida seria muito mais bela. 

São Josemaría Escrivá em seu livro ‘Caminho’, ponto 443 nos lembrava “Não faças crítica negativa; quando não puderes louvar, cala-te.” Não podemos deixar de sentir a culpa quando fazemos a crítica. A mínima crítica que fazemos ao próximo, fazemos a Deus, pois cada um é uma imagem de Deus. Fazemos críticas negativas baseadas em antipatias e desconfianças. 

Se elas se repetem é porque não consideramos as pessoas como feitas à imagem de Deus. Medir as pessoas por nossos próprios critérios é não ouvir a voz da nossa consciência. 

O homem bom, do bom tesouro do seu coração, tira o bem. O homem mau tira o mal. A boca fala do que há em nosso coração. Um mau tesouro se pronuncia em críticas, palavras mal fundamentadas. 

Do Catecismo da Igreja Católica 

O respeito à reputação das pessoas proíbe qualquer atitude e palavra capazes de causar um prejuízo injusto. Torna-se culpado de: 
  1. Juízo Temerário aquele que, mesmo tacitamente, admite como verdadeiro, sem fundamento suficiente, um defeito moral no próximo. 
  2. Maledicência aquele que, sem razão objetivamente válida, revela a pessoas que não sabem os defeitos e faltas de outros. 
  3. Calúnia aquele que, por palavras contrárias à verdade, prejudica a reputação dos outros e dá ocasião a falsos juízos a respeito deles. 
  4. A maledicência e calúnia são as críticas mais graves que lesam o direito à boa fama (somos imagem de Deus). Deus pensou em cada um de nós: “Essa pessoa merece ser criada. Ela é boa.” Criticar alguém é ir contra 1 decisão divina. Ao fazermos um mau juízo revelando seus defeitos pessoais estamos indo contra a ideia de que cada pessoa vale o sangue de Cristo. 
Qualquer pessoa com seu modo de ser, suas manias, vale o sangue de Jesus. Como ousamos julgar verdadeiros os boatos e críticas? Pelo telefone vai-se passando adiante os defeitos morais dos outros. Se sabemos defeitos, pecados dos outros, devemos guardar para sempre. Sem justa causa não pode jamais ser divulgado. Por que existem ainda críticas que saem da minha boca? Levamos o nome de cristãos, mas: medimos com superficialidade as pessoas, porque não ouvimos a voz da consciência, falando da gravidade das críticas negativas. 

“Não matarás, mas quem matar será condenado em juízo. Todo aquele que se irar contra seu irmão, será condenado em juízo. Todo aquele que chamar bobo ao seu irmão, será condenado em juízo, quem chamar de louco a seu irmão será condenado em juízo.” 

Qualquer comentário frívolo, superficial, que falamos do próximo, é grave. 

Outras vezes as críticas nascem dos nossos preconceitos. Na maior parte das vezes estamos enganados quando pensamos mal de alguém. 

Pio XI “Os homens são melhores do que seus atos e suas palavras.” Deus vê os corações. Deus vê os homens por dentro. “Não desprezemos ninguém; a mais malvada das pessoas contém uma centelha divina que pode saltar de um momento para o outro.” Exemplo: O bom ladrão. 

“Não desprezemos nem a ideia das pessoas porque contém uma parcela de verdade.” Nem desprezemos as ações porque ignoramos os seus motivos e suas consequências longínquas. 

A impulsividade de nossas palavras, um golpe de nossa língua é pior do que um golpe de espada. Se não somos sóbrios, podemos estar desferindo golpes mortais. 

Salomão : “ A boca de homem sábio está no coração. O coração de um tolo está na boca.” 

“No muito falar não faltará pecado. O que modera seus lábios é prudentíssimo.” ( Provérbios) 

Salomão : “A boca de um justo é fonte de vida. A boca dos ímpios é uma fonte de iniquidade.” 

Thomas Carslile: “Quem não pode guardar seus pensamentos para si mesmo, nunca realizará coisas grandes na vida.” Destruiremos coisas grandes: a paz familiar, a caridade no coração. 

No Catecismo da Igreja Católica: Todo bom cristão deve estar mais inclinado a desculpar as palavras do próximo do que a condená-las. Se não é possível desculpá-las, deve-se perguntar-lhe como as entende; se ele as entende mal, que seja corrigido com amor; e se isso não bastar, que se procurem todos os meios apropriados para que, compreendendo-as corretamente, seja poupado. 

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …