Pular para o conteúdo principal

Gloriosa História da Igreja - II



Quarenta dias depois de sua Ressurreição, Jesus deu instruções finais aos discípulos e ascendeu ao Céu (At 1 1-11). Os discípulos voltaram a Jerusalém e se recolheram durante alguns dias para jejum e oração, aguardando o Espírito Santo, conforme Jesus prometera.

Cerca de 120 seguidores de Jesus aguardavam pela divina promessa. Então, cinquenta dias após a Páscoa, no dia de Pentecostes, um som como que de um vento impetuoso encheu a casa onde o grupo se reunia. E como que línguas de fogo pousaram sobre cada um dos presentes, e todos começaram a falar em línguas que não conheciam, pois o Espírito Santo os capacitava.

Visitantes estrangeiros ficaram surpresos ao ouvir os discípulos falando em suas próprias línguas, pois sabiam que aquelas pessoas não conheciam outros idiomas a não ser o seu próprio. Alguns outros zombaram, dizendo que eles deveriam estar embriagados.

Então, Pedro, líder dos Apóstolos da Igreja primitiva, fez calar a multidão e explicou que estavam dando testemunho da Ação do Espírito Santo, conforme fora predito pelos profetas do Antigo Testamento (At 2 16-21; Jl 2 28-32).

Alguns dos observadores estrangeiros perguntaram então como receber também o Espírito Santo. E Pedro disse: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para a remissão dos vossos pecados, e recebereis o Dom do Espírito Santo “ (At 2.38).

E cerca de 3 mil pessoas aderiram à fé em Cristo naquele dia (At 2 41). Durante alguns anos, Jerusalém foi o centro da Igreja. Muitos judeus acreditavam que os seguidores de Jesus eram apenas uma outra seita do judaísmo. Suspeitavam que os cristãos, que então se denominavam "Seguidores do Caminho”, tentavam começar um nova “religião de mistério” em torno de Jesus de Nazaré, o que não era o caso, de modo algum. Tempos depois, porém, surgiram grupos que se por conta própria se autodenominaram cristãos e tentaram deturpar a Mensagem de Jesus Cristo, reduzindo o cristianismo a algum tipo de seita esotérica, misteriosa, com supostas grandes revelações e poderes que só seriam concedidos a certos membros especiais, "iniciados nos mistérios", através de práticas e técnicas mágicas secretas... Lamentavelmente, tais grupos continuam surgindo até hoje, embora contem sempre com pouquíssimos adeptos.

Mas na época dos Apóstolos, a Igreja de Jesus Cristo ainda engatinhava, e alguns dentre os cristãos primitivos continuavam a cultuar no Templo (At 3, 1), enquanto alguns outros insistiam que os convertidos gentios (de outros povos e nações) deveriam ser circuncidados (At 15). Os dirigentes judeus, porém, não custaram muito a perceber que os cristãos eram mais do que apenas uma nova seita dentro do judaísmo: os Seguidores do Caminho, isto é, os cristãos, eram diferentes em tudo, e, nesse sentido, revolucionários.

Jesus havia dito aos judeus que Deus faria uma Nova Aliança com aqueles que lhes fossem fiéis (Mt 16, 18), e que ele havia selado esta Aliança com o seu próprio Sangue (Lc 22, 20). Assim, os cristãos primitivos proclamavam com ousadia que haviam herdado os privilégios que Deus concedera a Israel nos tempos antigos, independente de sua nacionalidade, raça ou cultura. Não eram simplesmente uma parte de Israel:eram eles o Novo Israel, o novo Povo de Deus (Ap 3, 12; 21, 2; Mt 26, 28; Hb 8, 8; 9, 15).

Os líderes judeus, como não poderia deixar de ser, temiam muito esta ideia nova, pois este ensinamento não era judaísmo: isso destituía Israel do seu antigo privilégio de Povo Eleito. Agora, era a Revelação de Deus como um só Pai, para todos os homens.


A Comunidade de Jerusalém

Os primeiros cristãos formavam uma comunidade estreitamente unida em Jerusalém, após o Dia de Pentecostes. Parece que eles esperavam que o Cristo voltasse muito em breve. Repartiam todos os seus bens materiais (At 2.44- 45); muitos vendiam suas propriedades e davam à Igreja o produto da venda, a qual distribuía esses recursos entre o grupo (At 4.34-35).

Os cristãos de Jerusalém ainda iam ao Templo para rezar (At 2.46), mas partilhavam a Eucaristia em seus próprios lares (At 2.42-46). Essa Refeição Sagrada trazia-lhes à mente sua nova Aliança com Deus, a qual Jesus havia feito sacrificando seu próprio Corpo e Sangue.

Deus operava milagres de cura por intermédio desses primeiros cristãos. Enfermos reuniam-se no Templo, de sorte que os Apóstolo pudessem tocá-los em seu caminho para a oração (At 5.12-16). Esses milagres convenceram muitas pessoas de que os cristãos estavam verdadeiramente servindo a Deus.

As autoridades do Templo, num esforço por suprimir o interesse na nova Religião, prenderam os Apóstolos. E Deus enviou um anjo para libertá-los (como vemos em At 5.17-20). Isso, é claro, provocou mais excitação entre o povo. A Igreja crescia rapidamente, e os Apóstolos tiveram que nomear sete homens para auxiliar e distribuir mentimentos às viúvas necessitadas. O dirigente desses homens era Estevão, um “homem cheio de fé e do Espírito Santo” (At 6.5).

Foi exatamente aí que começou o governo eclesiástico e a organização hierárquica da Igreja: os Apóstolos tiveram que delegar alguns dos seus deveres a outros dirigentes. À medida que o tempo passava, e a Igreja crescia, seus ofícios precisaram ser dispostos numa estrutura cada vez mais complexa, até chegar no ponto em que se encontra hoje.


Fontes e referência bibliográfica:
MONDONI, Danilo. História da Igreja, 3ª ed. São Paulo: Loyola, 2006, pp. 21, 31,32;
LENZENWEGER, Josef et. al. História da Igreja Católica, 3ª ed. São Paulo: Loyola, 2006, pp. 9-12.

Postagens mais visitadas deste blog

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …