Pular para o conteúdo principal

Dos grandes danos que nascem da tristeza



Esteja muito longe de ti a tristeza, diz o Sábio, porque a tristeza a muitos tem causado a morte, e não há nela proveito algum. [2] Cassiano escreve um livro inteiro sobre o espírito da tristeza, porque para curar, diz, e remediar este mal e enfermidade, não é necessário menor cuidado e diligência que para as demais enfermidades e tentações espirituais que se nos oferecem nesta vida, pelos muitos e grandes danos que traz consigo, os quais vai ali apontando e fundando-os admiravelmente na Sagrada Escritura. Guardai-vos, diz ele, da tristeza; não a deixeis entrar no vosso coração, porque, se lhe dai entrada, e se começa a assenhorear-se de vós, logo vos tirará o gosto da oração, e fará que vos pareça dilatada a hora que se dedica, e que não a cumprais inteiramente, e algumas vezes fará com que totalmente fiqueis sem oração, e que deixeis a leitura espiritual [3].

Em todos os exercícios espirituais vos dará um tédio e um fastio que os não podereis suportar. Por causa do tédio dormitou minha alma [4]. Neste verso, diz Cassiano, declara muito bem o profeta estes males que se seguem da tristeza. Não diz que se lhe adormeceu o corpo, mas a alma; porque a tristeza e a acídia espiritual dão à alma um tão grande tédio e fastio de todos os exercícios e de todas as obras de virtude, que fica adormecida e incapaz para tudo o que é bom. Algumas vezes ;e tão grande este fastio que um sente para as coisas espirituais, que o chegam a enfadar e aborrecer as pessoas que tratam de virtude e de perfeição, e até às vezes procura retraí-las e estorvá-las de seus exercícios de piedade e virtude. 

Ainda tem outro efeito a tristeza, diz Cassiano, e é que torna o homem desabrido e áspero para com os irmãos. Diz S. Gregório: A tristeza traz consigo ira e enfadamento [5].

E  assim experimentamos que, quando estamos tristes, facilmente nos zangamos e enfadamos por qualquer coisa. A tristeza faz o homem impaciente nas coisas que trata, fá-lo suspeitoso e malicioso; e às vezes perturba ao homem de tal modo, que parece lhe tira o juízo, e o faz sair fora de si conforme aquilo do Eclesiástico: Onde há amargura, não há juízo [6]. E assim vemos muitas vezes que, quando reinam em um a tristeza e a melancolia, tem umas apreensões tão fora de razão, e umas suspeitas e temores tão sem fundamento, que aos outros que estão em seu juízo costumam causar riso, e disso fazem pratinho nas conversas, como de loucuras. 

E temos visto alguns homens gravíssimos, de grandes letras e talentos, tão presos e dominados desta paixão que era grande lástima vê-los umas vezes chorar como crianças e outras vezes dar suspiros e gemidos tão descompassados que mais pareciam bramidos. E depois quando estão em seu juízo, e sentem que lhes quer vir esta loucura, que assim se pode chamar, fecham-se no seu quarto, para suspirarem e chorarem a sós, sem perigo de perderem a sua autoridade e opinião para com aqueles que os vissem fazer tais coisas. 

Se querei saber de raiz os efeitos e danos que a tristeza causa no coração, diz Cassiano, o Espírito Santo no-lo diz brevemente pelo sábio: O que faz a traça no vestido e o caruncho e a carcoma na madeira, isto mesmo faz a tristeza no coração do homem [7]. O vestido roído pela traça não vale nem pode servir para nada; o madeiro cheio de carcoma não presta para o edifício, nem se pode colocar sobre ele peso algum, porque lodo se faz em pedaços. Assim também o homem cheio de melancolia, triste e carrancudo, faz-se inútil para tudo o que é bom. E não pára aqui o mal; mas o pior é que a tristeza no coração é causa e raiz de muitas tentações e de muitas quedas. A muitos matou a tristeza [8], fazendo-os cair em pecados. Para prova disso trazem aquelo que diz santo Jó acerca do demônio, que dorme da sombra [9]. Nessa sombra e escuridão, nessas névoas e trevas dessa confusão tendes, quando estais tristes, aí dorme e se esconde o demônio; esse é o seu ninho e o seu covil; aí arma ele melhor as suas redes; essa é a disposição que ele está aguardando para acometer com quantas tentações quer. 

Assim como as serpentes e bestas feras estão esperando que chegue a escuridão da noite para saírem das suas covas, assim o demônio, serpente antiga, está esperando essa noite e escuridão da tristeza, e então acomete com toda a espécie de tentações [10]. Têm preparadas suas setas na aljava para na escuridão ferirem aos de coração reto [11]. 

Dizia S. Francisco de Assis que o demônio se alegra muito quando vê um homem de coração triste, porque tão facilmente o afoga na tristeza e na desesperação ou o leva para os prazeres mundanos. Note-se muito essa doutrina, pois é de suma importância. Ao que anda triste e melancólico, umas vezes o demônio o faz cair numa grande desconfiança e desesperação, como fez a Caim e a Judas; outras vezes, quando lhe parece que por aí não faz boa entrada, acomete-o com deleites mundanos de divertimentos e vaidades; outras vezes com prazeres carnais e sensuais, com pretexto de que com aquilo se livrará da pena e tristeza que o aflige. E daqui vem que, quando está triste, lhe costumam vir graves tentações contra a vocação, porque lhe representa o demônio que lá no mundo viveria alegre e contente: e a alguns tem tirado já da Religião esta tristeza e melancolia. 

Outras vezes o demônio costuma acometer ao homem triste trazendo-lhe pensamentos carnais e desonestos que dão gosto à sensualidade e procurando que detenha neles com pretexto de que assim lançará de si a tristeza e se aliviará o seu coração. Isso é coisa muito de temer nos que andam tristes e melancólicos, porque neles costumam ser muito ordinárias essas tentações. E isso mesmo adverte muito bem S. Gregório. Diz ele que, como todo homem deseja naturalmente ter algum gosto e contentamento, quando o não acha em Deus, nem nas coisas espirituais e do céu, logo o demônio, que sabe muito bem a nossa inclinação, lhe apresenta coisas sensuais e desonestas, e lhe oferece gosto e contentamento nelas, com as quais lhe parece que se mitiga e alivia a tristeza e a melancolia presentes. Ficai sabendo, diz o Doutor, que se não tendes contentamento e gosto nas coisas altas e de Deus, o ireis buscar nas coisas baixas e vis, porque o homem não pode viver sem algum contentamento e satisfação [12].

Enfim, são tantos os males e danos que nascem da tristeza, que diz o Sábio: Com a tristeza vêm todos os males [13]; e noutra parte: A tristeza apressa a morte [14], e até dá a morte eterna, que é o inferno. Assim declara S. Agostinho aquilo que disse Jacó a seus filhos: Com a dor que me causais levareis minhas cãs ao inferno [15]. Diz que temeu Jacó não fizesse tanta impressão e causasse nele tanto dano a tristeza de ficar sem o seu filho Benjamin, que lhe pusesse em dúvida a salvação, e desse com ele no inferno dos condenados. E por isso diz que nos avisa o apóstolo S. Paulo que fujamos da tristeza, para que não suceda talvez que com a tristeza demasiada venhamos a perder nossa alma [16]. Por serem tão grandes os danos da tristeza, por isso é que nos previne e avisa tanto a Sagrada Escritura e os Santos que fujamos e que nos acautelemos dela. Não é pela vossa consolação, nem pelo vosso gosto, pois se não houvesse mais que isso, pouco importava que estivésseis triste ou alegre. E pela mesma razão deseja e procura tanto o demônio que nos domine a tristeza, porque sabe que é a raiz e a causa de muitos males e pecados. 

[1] Pe. Afonso Rodrigues. Exercícios de Perfeição e Virtudes Cristãs, Segunda Parte, Tomo IV, 3a. ed. Lisboa: União Gráfica, 1933, p. 157.
[2] Eccli. XXX, 24.
[3] Cass. 1. 9 instit. renunt.
[4] Sl. CXVIII, 28.
[5] Mor. 1. 31, c. 32. 
[6] Eccli. XXI, 15.
[7] Prov. XXV, 20.
[8] Eccli. XXX, 23.
[9] Job. XL, 16.
[10] Sl. CIII, 20.
[11] Sl. X,3.
[12] Mor. 1. 18, c.8.
[13] Eccli. XXV, 17.
[14] Eccli. XXXVIII, 19.
[15] Gen. XLII, 38.
[16] II Cor. II, 7.

Fonte: Grupo São Domingos de Gusmão

Fonte Origem: Tratado da Alegria da Alma Cristã - Padre Ambrósio de Lombez, O.F.M. Cap. - Ed. Pinus. 


Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …