Pular para o conteúdo principal

No caminho de Jesus

A escolha é entre  «ser cristãos do bem-estar» ou «cristãos que seguem  Jesus». Os cristãos  do bem-estar são os que pensam que têm tudo  se tiverem a Igreja, os sacramentos, os santos... Os outros são cristãos que seguem Jesus até ao fim, até à humilhação da cruz, e suportam serenamente tal humilhação. Em síntese, foi esta  a reflexão proposta pelo Papa Francisco na manhã de sexta-feira, 27 de Setembro, na homilia da missa celebrada na capela de Santa Marta.
O Santo Padre recordou quanto disse ontem a propósito dos diversos modos para conhecer Jesus: «com a inteligência – recordou hoje – com o catecismo, com a oração e  no seguimento». E fez a pergunta que está na origem desta busca do conhecer Jesus: «Mas quem é?». Contudo, hoje «é Jesus que faz a pergunta», assim como foi narrado por Lucas  no trecho do Evangelho lido esta manhã (9, 18-22). A pergunta de Jesus –  «quem dizem as pessoas quem eu sou?»  –  frisou o Pontífice,  que de genérica se transforma numa pergunta dirigida particularmente a pessoas específicas, neste caso aos apóstolos: «Mas vós quem dizeis que eu sou?».  Esta pergunta, prosseguiu «é dirigida também a nós neste momento, no qual o Senhor está no meio de nós, nesta celebração, na sua Palavra, na Eucaristia sobre o altar, no seu sacrifício. E hoje a cada um de nós Ele pergunta: mas para ti quem sou? O dono desta empresa? Um bom profeta? Um bom mestre? Uma pessoa que te faz bem ao coração? Que caminha contigo na vida, que te ajuda a ir em frente, a ser melhor? Sim,  tudo isto é  verdade mas não é tudo» porque «foi o Espírito Santo que tocou o coração de Pedro e lhe fez dizer quem era Jesus: És o Cristo, o Filho do Deus vivo». Quem de nós, prosseguiu o Pontífice na sua explicação, «na própria oração, olhando o tabernáculo, diz ao Senhor: tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo» deve saber duas coisas. A primeira é que «não o pode dizer  sozinho: deve ser o Espírito Santo quem o  diz nele». A segunda é que se  deve preparar «porque ele te responderá».
E neste ponto o Santo Padre deteve-se na descrição de diversas atitudes que um cristão pode assumir: quem o seguirá até a um certo ponto, quem diz que o seguirá até ao fim. O perigo que corremos, advertiu, é ceder «à tentação do bem-estar espiritual», isto é, de pensar que temos tudo: a Igreja, Jesus Cristo, os sacramentos, Nossa Senhora e, portanto, já nada devemos procurar. Se pensarmos assim «somos bons, todos, porque pelo menos devemos pensar nisto; se pensarmos o contrário é pecado». Mas isto «não basta. O bem-estar espiritual – explicou o Papa – existe até a um certo ponto». O que falta para ser cristão verdadeiramente é «a unção da cruz, a unção da humilhação. Ele humilhou-se a si mesmo até à morte e à morte de cruz. Este  é o termo de comparação, a  verificação da nossa realidade cristã. Sou um cristão de cultura do bem-estar ou sou um cristão que acompanha o Senhor até à cruz? Para compreender se somos os que acompanham Jesus até à cruz, o sinal justo «é a capacidade de suportar  as humilhações. O cristão que não concordar com este programa do Senhor é um cristão na metade do caminho; um tíbio. É bom, realiza coisas boas» mas continua a não suportar as humilhações e a perguntar-se «por que àquele sim e a mim não? A humilhação a  mim não. E por que acontece isto e a mim não? E por que nomeiam aquele monsenhor e a mim não?»
«Pensemos em Tiago e João – prosseguiu – quando pediram ao Senhor  o favor das condecorações. Não sabeis, nada entendeis, disse-lhes o Senhor. A escolha é clara: o Filho do homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos chefes dos sacerdotes e pelos escribas, morrer e ressuscitar ao terceiro dia».
«Mas todos nós? Queremos que se realize a última parte deste parágrafo. Todos queremos ressuscitar ao terceiro dia. É bom, é bom, devemos querer isto». Mas nem todos, disse o Papa, para alcançar o objectivo, estão dispostos a seguir este caminho, o caminho de Jesus: pensam que seja um escândalo se lhes fazem algo que julgam uma afronta e se lamentam por isso. Portanto, o sinal para entender «se um cristão é verdadeiramente cristão» é «a sua capacidade de suportar com alegria e paciência as humilhações». Isto «é desagradável», frisou o Papa Francisco,  e no entanto «há muitos cristãos que olham para o Senhor e pedem humilhações para se assemelharem mais com ele».

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …