Pular para o conteúdo principal

A ÉTICA DA VIDA - BIOÉTICA


BIOÉTICA, UMA REFLEXÃO HISTÓRICA

O termo Bioética é relativamente novo. Foi usado pela primeira vez por Van R. Potter, no artigo: “A ciência da sobrevivência” em 1970. Posteriormente, empregou novamente o termo em seu livro : “ Bioética : ponte para o futuro” em 1971.

A intenção em criar a palavra aparece nos próprios títulos. Rapidamente o termo foi aceito e a Bioética passou a ser reivindicada em todo mundo como um instrumento norteador para a “Ética da Vida”, seja para os seres vivos em geral, seja para a defesa do meio ambiente.

Como motor para a rápida aceitação da Bioética, está o desenvolvimento técnico que vem trazendo um progressivo poder sobre a vida humana, gerando enorme complexidade em problemas ético-clínicos. Diante da novidade de terapias em situações clínicas que antes levavam à morte e o desenvolvimento de transplantes de órgãos, diante da possibilidade de interferir no processo de fecundação dos seres vivos alcançando a própria espécie humana e do poder de interferir no momento da morte, a sociedade deparou-se com grandes vazios legais.

A Bioética recém criada apresentou-se mais apoiada na razão e no bom senso diante de problemas totalmente novos, procurando integrar a ética e a ciência biomédica. Propôs, inicialmente, um esforço interdisciplinar para humanizar o atendimento à saúde e promover os direitos do paciente como necessidade de proteção à vida humana e ao meio ambiente.

Portanto, a resposta à necessidade veio em uma linha ética baseada sobre os valores da pessoa e sobre os direitos humanos, em fundamentos racionais e metodologia cientificamente adequada, no respeito às confissões religiosas com finalidade prática. Entretanto, tomou uma ordem de valores não explicitando claramente qual definição antropológica lhe servia de base.

Com o crescimento paralelo do Liberalismo, surgem fortes questões sobre direitos humanos.Interesses econômicos e políticos geram crise de valores. A mentalidade de nossa época levanta a dúvida sobre a possibilidade de critérios universais que possam fundamentar os juízos de valor e os métodos de pesquisa e de intervenção da ciência e da tecnologia sobre a própria vida e sobre a biosfera.

Surgem as interrogações que parecem não encontrar respostas. A Bioética deveria ser uma ética que, a partir da descrição do dado científico, biológico e médico, examinasse racionalmente a validade da intervenção do homem sobre o homem? Até onde a ciência pode ir? Tudo o que ela “pode” ela “deve”fazer? Por exemplo, em 1996, no Jornal CREMESP surge em um debate sobre o assunto: “O excesso de informações fez o homem perder a capacidade de discernimento. A humanidade se firmou pelas contradições, não permitindo mais as alternativas vigentes como caminho.”

REALIDADE DA CULTURA ATUAL

Apresenta-se uma “obsessão evolucionista” que leva a três tipos de pré - conceitos:
a) o Passado seria sinônimo de atraso e de ignorância ingênua;
b) a Verdade seria uma conquista inevitável e obrigatória da racionalidade;
c) a Ciência e a Tecnologia seriam os instrumentos redentores da humanidade em geral.

Apagaram-se as bases habituais ontológicas, metafísicas, religiosas da ética pura ou aplicada, há o triunfo do individualismo e somos assaltados por ideologias diante do desenvolvimento tecnológico que continua acelerado. A Ciência se torna absoluta e o homem se torna refém da tecnologia.

Este processo se constata na procura de definição para a própria Bioética como uma questão até hoje não resolvida apresentando a tendência de se adaptar à exigência de não bloquear o desenvolvimento científico, como consta na mesma Encyclopedia of Bioethics:

- Em 1978, a Bioética é definida como ‘‘Estudo sistemático da conduta Humana no âmbito das ciências da vida e da saúde, examinada à luz dos valores e dos princípios morais”.
- Em 1995, a Bioética é definida como “Estudo sistemático das dimensões morais - incluindo visão, decisão, conduta e normas morais – das ciências da vida e do cuidado da saúde utilizando uma variedade de metodologias éticas num contexto interdisciplinar”.

Surge o Paradoxo “pós-moderno”. A ética, reivindicada em toda parte, dificilmente ancora suas normas e valores em um lugar que os funde e os justifique. O desenvolvimento técnico continua exigindo critérios de referência, provocando o renascimento do debate ético e a multiplicação de discussões e novas correntes éticas.

Porém, apesar do apelo generalizado a uma Ética norteadora, as respostas não satisfazem e se misturam diante da falência do sentido da própria vida.

QUAIS OS PRINCIPAIS COMPROMISSOS? VALORES? QUAIS GARANTIAS?

Temos necessidade de uma Bioética que apresente um caminho claro com base na realidade da pessoa humana como ela é, respeitada em todas suas dimensões constitucionais. Não se pode reduzi-la apenas a um instrumento de trabalho como não se pode definir o sentido de sua existência sob o princípio único do prazer e da ausência de dor. Não se pode, em absoluto, delegar o poder a alguns para terminar com a vida de outros. A Ciência pode e deve servir de instrumento ao homem e não o oposto.

O que nos permite hoje dizer que uma lei é universalmente justa é o respeito à pessoa humana, reconhecendo que ela se desenvolve na realidade de sua existência que vai se construindo a partir de recursos internos de seu próprio ser desde a fecundação até a morte natural.

Estes são os fundamentos da Bioética Personalista Humanista Integral.


Dra. Elizabeth Kipman Cerqueira
Médica, autora do livro "Sexualidade, gênero e desafios bioéticos"

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …