Pular para o conteúdo principal

Novíssimos do homem - Morte e Juízo.


"Em todas as tuas obras, lembra-te dos teus novíssimos, e jamais pecarás". (Eclo 7,40).

A cada dia o homem é tomado pela expectativa do avanço da tecnologia. Os cientistas descobrem um novo remédio, uma cura nova, então doenças que antes dizimavam povoados, hoje são tratadas facilmente.

O homem desde os primórdios buscam a solução de seus problemas, uns com soluções imediatas, outros que precisam de pesquisas avançadas. Nos tempos atuais já existem pessoas que almejam o desejo da eternidade. Mas de uma “eternidade temporal”, uma eternidade física. Já tem pessoas que congelam o próprio corpo para que no futuro possam ressuscitarem e ter uma vida normal.

Mas o fato é: Todos nós passaremos pelos novíssimos!

O que são os novíssimos?

Novíssimo é a trajetória do homem no decorrer do seu último suspiro. É o que acontece quando terminamos a nossa jornada nesta terra. Desde os primórdios da Igreja de Deus, é costume meditar nestes termos, que hoje são tratados como banal, infelizmente por nós católicos, inclusive por não poucos sacerdotes, a quem deveriam instruir e educar na fé a muitos. É constituído de:

  • Morte;

  • Juízo;

  • Inferno;

  • Paraíso.

A MORTE

"O que está preparado para morrer não receia a morte, qualquer que seja, ainda que venha de improviso". (Sto Agostinho)

“Imaginai que estais vendo uma pessoa que acaba de exalar o último suspiro; considerai esse cadáver deitado ainda no leito, com a cabeça pendida sobre o peito, os cabelos em desalinho banhados ainda nos suores da morte, os olhos encovados, as faces descarnadas, o rosto acizentado, a língua e os lábios cor de ferro... o corpo frio e pesado. Empalidece e treme quem quer que o vê. Quantas pessoas, à vista de um parente ou de um amigo morto, não mudaram de vida e não deixaram o mundo! (Santo Afonso Maria Ligório)

No sentido corporal a morte é o termino da vida, mas para o sentido da fé é a consequência do pecado (Rm 6, 23), haja vista que perdemos o “direito” da vida eterna por conta do pecado original, quando nossos pais, Adão e Eva sucumbiram à tentação da serpente.

A morte hoje é tratada com tristeza e muitas vezes não são aceitas facilmente por parte de quem fica.  Mas para aqueles que “nasceram da água e do Espírito”(Jo 3,5) ela é um auxílio para encontrarmos em definitivo com o nosso Criador.

Era comum os primeiros cristãos, meditarem sobre a morte, visto que o martírio era algo “normal” entre as comunidades cristãs, o que nos deus vários mártires. Comum também no meio monástico a meditação sempre da morte, para observar como a vida é breve e o apego a este mundo é vão. Há quem diga que existiam monges que cavavam a própria cova como exercício espiritual, ou até mesmo quando encontrava com outro, em vez de dizer o “bom dia” ou “boa tarde” já lançava a “meditação mortal”: LEMBRE-SE DA MORTE!

Tudo isso pode parecer bizarro, mas se nos aprofundarmos no assunto veremos que a morte, como já diziam os antigos, é a única certeza nesta vida. Como seria a sua vida se você soubesse o dia de sua passagem (sem volta) ao encontro Celestial? Como seria a sua conduta diante de Deus e dos homens se soubesse que a vida é como diz o Salmista “Quanto ao homem, os seus dias são como a erva, como a flor do campo assim floresce. Passando por ela o vento, logo se vai, e o seu lugar não será mais conhecido.” (Sl 103,15-16)? Como seria nossas vidas, vícios, virtudes, choradeiras,preocupações, se soubéssemos que “esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado" para quem será?

Claro que não devemos ficar com a consciência pesada por este tema, visto que aqueles que seguem a Deus não tem que temer. Sabemos que somos fracos e limitados, por isso devemos sempre pedir a Nosso Senhor para morrermos na  sua graça e cos sacramentos principalmente o da Unção dos Enfermos e também o Viático, como já falamos aqui outra vez, Link

Que alegria também para o que amou a Jesus Cristo, e muitas vezes O visitou no Santíssimo Sacramento e O recebeu na Santa Comunhão, ver entrar no quarto seu Senhor que vem em Viático, para o acompanhar na passagem para a outra vida! Feliz então o que lhe puder dizer como São Felipe Nery: ‘Eis aqui o amor do meu coração, eis aqui o meu amor; dai-me o meu amor!’.

“Para os que creem em Vós, Senhor, a vida não acaba, apenas se transforma: e, desfeita a morada deste exílio terrestre, adquirimos no céu uma habitação eterna” (Prefácio dos Defuntos I: Missale Romanum, editio typica (Typis Polyglottis Vaticanis 1970), p. 439 [Missal Romano, Gráfica de Coimbra 1992, 509]).

Meditemos sempre nesta nossa Irmã Morte, como já dizia São Francisco de Assis:

“Louvado sejas, meu Senhor,
Por nossa irmã a Morte corporal,
Da qual homem algum pode escapar.
Ai dos que morrerem em pecado mortal!
Felizes os que ela achar
Conformes à tua santíssima vontade,
Porque a morte segunda não lhes fará mal!
Louvai e bendizei ao meu Senhor,
E dai-lhe graças,
E servi-o com grande humildade.”

 (São Francisco de Assis, Cântico das Criaturas).

O Juízo

A morte é o fim de nosso prazo para aceitarmos a graça de Deus em nossas vidas. Após a nossa morte temos o chamado Juízo, onde encontraremos “face a face” (1 Cor 13, 12) com Deus para sermos julgados mediante a nossas obras, de acordo com o nosso conhecimento do Evangelho.

No Novo Testamento são várias as passagens em que afirma a Segunda Vinda de Cristo, mas também é mostrada como na Parábola do Rico e Lázaro onde o pobre já recebe a “recompensa” imediatamente após a morte:

19. "Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho fino, e dava banquete todos os dias. 20. E um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, que estava caído à porta do rico. 21. Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E ainda vinham os cachorros lamber- lhe as feridas. 22. Aconteceu que o pobre morreu, e os anjos o levaram para junto de Abraão. Morreu também o rico, e foi enterrado. 23. No inferno, em meio aos tormentos, o rico levantou os olhos, e viu de longe Abraão, com Lázaro a seu lado. 24. Então o rico gritou: 'Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a lingua, porque este fogo me atormenta'. 25. Mas Abraão respondeu: 'Lembre-se, filho: você recebeu seus bens durante a vida, enquanto Lázaro recebeu males. Agora, porém, ele encontra consolo aqui, e você é atormentado. 26. Além disso, há um grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, nunca poderia passar daqui para junto de vocês, nem os daí poderiam atravessar até nós'. (Lc 16, 19-26)


Após a morte temos dois Juízos: Juízo Particular e o Juízo Universal.

Vamos ao primeiro, que é logo após quando o ocorre à morte, o Juízo Particular, muitos teólogos e santos afirmam que este se dá exatamente no local da morte!

Juízo Particular

No momento de sua morte já é dada a sua sentença, seja Céu ou Inferno. Este Juízo é pautado pelas obras que praticou, segundo o conhecimento da Palavra de Deus:

“E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.” (Ap 20,12)

“Cada homem recebe em sua alma imortal a retribuição eterna a partir do momento da morte, num Juízo Particular que coloca sua vida em relação à vida de Cristo, seja por meio de uma purificação, seja para entrar de imediato na felicidade do céu, seja para condenar-se de imediato para sempre.” (Catecismo da Igreja Católica §1022).

Têm-se visto criminosos banhados em copioso suor frio na presença de um juiz terrestre. Pison, comparecendo no senado com as insígnias da sua culpa, sentiu tamanha confusão, que a si próprio deu a morte. Que pena não é para um filho ou um vassalo ver seu pai ou o seu príncipe indignados! Que maior mágoa não deve sofrer uma alma à vista de Jesus Cristo, a quem desprezou durante toda a vida! Esse Cordeiro, que a alma via tão manso enquanto estava no mundo, vê-Lo-á agora irritado, sem esperança de jamais O apaziguar. Então pedirá às montanhas que a esmaguem e a furtem das iras do Cordeiro indignado. (Santo Afonso Maria Ligório)

Juízo Universal

“O Juízo Final acontecerá por ocasião da volta gloriosa de Cristo. Só o Pai conhece a hora e o dia desse Juízo, só Ele decide de seu advento. Por meio de seu Filho, Jesus Cristo, Ele pronunciará então sua palavra definitiva sobre toda a história. Conheceremos então o sentido último de toda a obra da criação e de toda a economia da salvação, e compreenderemos os caminhos admiráveis pelos quais sua providência terá conduzido tudo para seu fim último. O Juízo Final revelará que a justiça de Deus triunfa de todas as injustiças cometidas por suas criaturas e que seu amor é mais forte que a morte.” (Catecismo da Igreja Católica §1040).

Neste momento acontecerá a ressurreição dos mortos, que professamos em nosso Credo, dos “justos e injustos”. (Atos 24,15).

 

Pax Vobiscum


Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …