Pular para o conteúdo principal

A mulher deve ser submissa ao homem?


Por Padre Peter R. Scott, FSSPX
Traduzido por Andrea Patrícia
Ainda pode-se afirmar que a esposa deve ser submissa ao seu marido, dadas as mudanças na sociedade moderna?
A devida submissão da esposa ao seu marido pode ser considerada em dois planos diferentes:
• Em primeiro lugar no da lei natural, homem e mulher tendo cada um funções profundamente diferentes no bloco de construção da sociedade que é a família;
• E em segundo lugar no plano sobrenatural.
Esta segunda perspectiva é de longe a mais importante, e ilumina toda a vida de casado. Porque a submissão de uma esposa ao marido é totalmente clara na lei natural a qualquer mulher que não tenha sido contaminada pelos princípios do liberalismo rebelde, que é confirmada explicitamente no Novo Testamento. São Paulo, no quinto capítulo de sua epístola aos Efésios, estabelece os princípios. O marido tem, em virtude do sacramento do matrimônio, sempre de imitar a Cristo no seu amor pela Igreja, e a mulher tem sempre, em virtude do mesmo sacramento, que imitar a Igreja no seu amor por Cristo. Assim, o homem é realmente a cabeça de sua esposa, e tem o dever de assumir a liderança, enquanto que a mulher deve se esforçar para ser o coração respondendo e dependendo da cabeça.
O Papa Leão XIII trata dessa questão explicitamente na sua Encíclica Arcanum Divinae Sapientiae de 10 de fevereiro de 1880:


O marido é o chefe da família, e a cabeça da mulher. A mulher, porque ela é carne da sua carne e osso dos seus ossos, deve ser sujeita a seu marido e obedecer-lhe: Não na verdade como uma serva, mas como uma companheira, de modo que sua obediência não deve faltar nem em honra nem em dignidade. Desde que o marido representa Cristo, e desde que a mulher representa a Igreja, que haja sempre, tanto nele que comanda quanto nela que obedece, um amor nascido do Céu a guiá-los em suas respectivas funções. Pois “o marido é a cabeça da mulher, como Cristo é a cabeça da Igreja … Assim como a Igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres o sejam a seus maridos em todas as coisas” (Ef 5,23 -24) (Matrimony, Papal Teachings, pelos monges de Solesmes, p. 141).
Uma vez que a natureza do homem não pode mudar, nem pode a lei natural, e uma vez que a revelação divina foi completada com a morte do último dos apóstolos, isso não pode mudar no plano sobrenatural também. A fim de resistir à corrupção da natureza e dos dons sobrenaturais de Deus, maridos e esposas precisam se lembrar que eles não pertencem a este mundo, caso contrário, o liberalismo moderno de hoje terá sucesso em destruir a família. Os maridos, conseqüentemente, assumem a responsabilidade e a liderança mesmo quando se sentem inadequados, e as esposas terão prazer em negar sua própria vontade e obedecer a seus maridos.
É essa autoridade de um homem sobre sua mulher (não dos homens sobre as mulheres), que os liberais detestam, e que, infelizmente, o Papa João Paulo II lutou contra com base nos falsos direitos do homem. Em sua análise da mudança do ensinamento, o autor Luigi Accattoli não hesita em afirmar (com aprovação) que o papa “corrige o ensinamento de São Paulo” (When a Pope Asks Forgiveness [Quando um Papa pede perdão], Alba House, pg.105-108, 1998).
No que diz respeito à natureza radicalmente feminista da afirmação da igualdade de marido e mulher no casamento, basta citar algumas passagens do autor acima, que são baseadas na Encíclica do papa Mulieris Dignitatem, de setembro de 1988:
“O mais ousado toque também é encontrado em Mulieris Dignitatem, que contém um resumo das referências bíblicas para as mulheres individuais e até mesmo corrige dois mil anos de interpretação das passagens de São Paulo, que descrevem o homem como a “cabeça” da mulher. Ele até corrige São Paulo – ou o que é baseado na antiguidade de seus escritos – quando ele afirma: “Todas as razões a favor da submissão da mulher ao homem no casamento devem ser entendidas no sentido de uma submissão recíproca de ambos no temor de Cristo”.” (Ibid., citando Mulieris Dignitatem 9; 24).
Accattoli é certamente preciso em apontar que esta é uma transformação radical no ensino da Igreja. Ninguém poderia duvidar de que a letra e o sentido de São Paulo são de uma submissão unilateral, e que o papa, reinterpretando-a como uma “submissão mútua” tanto esvazia o texto de todos os sentidos quanto vai diretamente contra a revelação divina por causa de seus princípios humanísticos e falsos sobre a igualdade e a dignidade do homem.
Esposas verdadeiramente femininas, conseqüentemente, abominam esta perversão feminina da Verdade Católica, e praticam a submissão e a obediência que tanto a natureza quanto a graça as inclinam a praticar.

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …