Pular para o conteúdo principal

Disposições com que se deve assistir à Santa Missa

"Não sejais motivo de Escândalo,nem para os Judeus, nem para os Gentios,nem para a Igreja de Deus"(1 Cor. 10, 32).

"Digamos agora quais são as disposições, com que se deve assistir à Santa Missa, e qual é o modo de ouvi-la. Basta atender ao pouco que fica dito do Sacrifício da Missa para qualquer cristão conhecer as disposições, que deve ter para assistir à Santa Missa, de modo que honre Deus, e consiga utilidade para sua alma. Temos dito que o Sacrifício da Missa é o mesmo que o da Cruz. Se nós, pois (instruídos dos Mistérios de Jesus Cristo), estivéssemos presente no Calvário, e aí víssemos a Cristo pregado na Cruz, padecendo dores, e tormentos indizíveis, derramando o seu precioso Sangue pelas inumeráveis Chagas do seu Corpo, e entre lágrimas, suspiros, e clamores, que enviava a seu Eterno Pai, espirar para consumar o seu Sacrifício, se nós digo, presenciássemos tudo isto, quais seriam os nossos sentimentos, e os nossos afetos?



Deixaríamos de ser penetrados de piedade, compaixão, e ternura para com Jesus Cristo, que assim nos amava e padecia por nós?

Deixaríamos de amá-Lo, e adorá-Lo como nosso Deus e Salvador, e de agradecer-Lhe tão estupendo benefício?

Deixaríamos de compungir-nos e arrepender-nos de nossos pecados, pelos quais Jesus Cristo padecia e morria?

Deixáramos de oferecer-nos inteiramente a Deus, em Cristo e por Cristo, e de pedir-Lhe o perdão pelos merecimentos de seu Filho expirando na Cruz, esperando consegui-lo por Ele?

Em fim, deixaríamos de mostrar até no nosso exterior modéstia, devoção e compunção?

Pois eis aqui os sentimentos e afetos de que devemos estar animados quando assistimos ao tremendo, e adorável Sacrifício da Missa.

... o Concílio de Trento nos ensina, que para conseguirmos de Deus misericórdia mediante a oblação do Sacrifício da Missa, devemos apresentar-nos a Ele com Fé, Temor, Reverência, contritos e penitentes; e em outro lugar (Sess. 22. Dect. de Observandis) nos diz e ordena, que não se celebre este Sacrifício, se os que assistem a Ele não manifestam pelo seu exterior composto, que eles estão presentes não só com o corpo, mas também com o espírito, e com devoto afeto do coração. Concluamos, pois, que para bem ouvir e assistir ao Sacrifício da Missa são necessárias disposições interiores e exteriores; as interiores são:

1ª) Uma Fé reta e sincera, que nos faz crer, e que de algum modo nos descobre os grandes Mistérios, que se encerram neste Divino Sacrifício;

2ª) o Temor à vista dos nossos pecados, e ao mesmo tempo a Confiança à vista de Jesus Cristo, que se oferece por nós ao Eterno Pai;

3ª) a Reverência e o Respeito a esta Divina Oblação, o respeito a Deus Padre, e que a Igreja o oferece pelo seu Ministro; e juntamente com Cristo e por Cristo, a Igreja e cada um dos cristãos se oferece a Deus para aplacá-Lo, e para obter a sua misericórdia;

4ª) a detestação, o arrependimento e a dor dos nossos pecados, com os quais ofendemos a Deus, e para expiação dos quais Cristo se oferece;

5ª) o desejo de unir-nos à intenção da Igreja na oblação deste Sacrifício, que é oferecido em nome de todos. A Igreja oferece a Santa Missa, para adorar e honrar a Deus com o Culto Supremo que Lhe é devido; para pedir e obter de Deus o perdão e a expiação dos pecados; e para impetrar graças de benefícios, etc.; esta deve ser a mesma intenção dos que assistem à Santa Missa;

6ª) em fim, a atenção, a devoção e o interior recolhimento.

As disposições exteriores são estas:

1ª) A decente e modesta compostura nos vestidos;

2ª) o silêncio e modéstia;

3ª) uma postura que indique respeito, devoção e humildade.

Estas são em suma as disposições com que se deve assistir ao Santo Sacrifício da Missa. Daqui devemos inferir com o Catecismo de Montpelier (Part. III, Sec. II, Caps. 7, 9, 20), que não ouvem bem a Santa Missa, e que pecam contra a Reverência devida ao Divino Sacrifício: 1º) Os que a Ele assistem de um modo escandaloso, com as suas imodestas distrações, com posturas indecentes, com conversas pouco edificantes (e talvez indecorosas) e com enfeites totalmente profanos (e descompostos; o que por desgraça se vê em muitas igrejas) mostram que não tem algum sentimento de Religião; 2º) os que se achando em pecado mortal assistem à Santa Missa sem algum afeto à penitência e sem algum desejo de se converter. Segundo a presente Disciplina, não há lei alguma da Igreja que proíba aos pecadores (à exceção dos excomungados) assistirem ao Santo Sacrifício da Missa; eles, pois, devem assistir a Ela nos Domingos e Dias Santos: a Igreja obrigando os pecadores a assistir a Santa Missa, pretende que eles o façam com sentimentos de Fé, de Humildade e de Compunção, para moverem a Deus a que lhes conceda o Dom da Penitência e da inteira conversão, que eles devem desejar e procurar..."
("Manual das Missões e Devocionário Popular", por um Presbítero da Congregação da Missão, pp. 45-48, Ed. Cat. Benziger & C., Einsiedeln (Suíça), 1908).

"Terminando, reprovamos ainda outro deplorável abuso: o das senhoras e moças que vão à Missa vestidas à última Moda, às vezes bastante indecente para lugar tão Santo. Estas pessoas não medem a imensa dívida que contraem para com Deus. Jesus Cristo, do alto da Cruz, parece dizer-lhes: 'Vê, minha filha, estou atado a este lenho, inundado de Sangue, coberto de Chagas, para pagar o escândalo de teus trajes inconvenientes. Tu, por ironia cruel, apareces aqui ostentando tua elegância; não te envergonhas de mostrar-te a Meus olhos nesse estado em que escandalizas meus fiéis? Toma cuidado para que teu luxo e tua vaidade não te lancem ao fogo do Inferno!' A garridice, o luxo é como um archote que acende desejos ilícitos até no coração dos justos; que fogo não acenderá nos levianos e impuros! As pessoas adornadas com tanto cuidado são sempre perigosas: desviam do altar a atenção dos homens e são a causa de distrações e pensamentos criminosos. Quem prepara o veneno comete um pecado mortal, mesmo que não o tome aquele a quem é destinado; o mesmo acontece com estas pessoas: pecam pelo único fato de expor os outros à tentação. Sua falta é ainda mais escandalosa, quando assim se apresentam na Santa Missa. Como responderão por suas vítimas no dia do Juízo? Acrescenta a isso que são uma ocasião de pecado para outras senhoras, a quem servem de figurinos de imitação"
(Ven. Pe. Martinho de Cochem, "Explicação da Santa Missa", Cap. XXX, pp. 332-333, 2ª edição, Typ. de S. Francisco, Bahía, 1914). Clique aqui para baixar o PDF.

Retirado do livro "Reminiscências sobre a Modéstia no Vestir". Não encontrei o nome do autor, nem mesmo o livro. Se alguém souber e fizer a caridade de informar, ficaremos gratos.

FONTE: http://resistenciacatolica.blogspot.com.br/2013/05/disposicoes-com-que-se-deve-assistir.html

Postagens mais visitadas deste blog

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …