Pular para o conteúdo principal

O bem comum mais importante? O pensamento

É talvez o primeiro e mais importante "bem comum" que hoje, mais do que nunca, deveríamos reivindicar

© pixologic

O pensamento não é – como se acredita – uma propriedade do indivíduo, mas sim um "bem comum". É talvez o primeiro e mais importante "bem comum" que hoje, mais do que nunca, deveríamos reivindicar.
A opinião é do filósofo italiano Giuseppe Cantarano, professor da Universidade da Calábria. O artigo foi publicado no jornal L'Unità, 20-08-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto, publicada hoje em IHU.
Eis o texto.

Não só grande parte do seu léxico, mas também os conceitos mais importantes da política tem uma evidente – e comprovada – origem teológica. Como nos explicou Carl Schmitt.
Mas há também quem tenha mostrado – como o egiptólogo Jean Assmann, no seu livro Potere e salvezza. Teologia politica nell’antico Egitto, in Israele e in Europa (Ed. Einaudi, 2002) – exatamente o oposto. Ou seja, que as categorias teológicas – e o seu vocabulário –, ao contrário, é que teriam uma derivação política.

Duas teses contrapostas. Mas que convergem em um ponto decisivo. Ou seja, que entre teologia e política há uma relação convincente. Uma relação, para dizer o mínimo, bimilenar. Que remonta a São Paulo. Depositada não só naquele que pode ser considerado o primeiro documento cristão sobre a política, a Carta aos Romanos. Mas também na Segunda Carta aos Tessalonicenses. Na qual o apóstolo evoca o mistério da katechon.
Esse poder – não sabemos se encarnado na Igreja, isto é, na teologia, ou no Império, isto é, na política – que freia a propagação do mal no mundo. Mas que, detendo a irrupção do mal, nada mais faz – paradoxalmente – do que retardar a vitória final, escatológica, do bem. O advento, em suma, da parusia.

Se, portanto, a relação entre teologia e política também pode parecer contraditória, isso não exclui que ela esteja consolidada. De "longa duração", digamos assim. E necessária. Inevitável. Como lembrou Massimo Cacciari no seu livro Il potere che frena. Saggio sulla teologia politica (Ed. Adelphi, 2013).

Ao contrário, o novo livro de Roberto Esposito (Due. La macchina della teologia politica e il posto del pensiero, Ed. Einaudi, 2013, 233 páginas) é totalmente voltado a desmontar genealogicamente esse dispositivo teológico-político.

O filósofo napolitano não está nada convencido de que o nosso agir histórico – ao menos no Ocidente – esteja destinado a oscilar entre "Cila e Caríbdis". Entre o polo teológico e político. Aqueles que consideram que haja um conteúdo teológico original na política ou, inversamente, um conteúdo político original na teologia já pensam dentro da "máquina" teológico-política. Pressupõem-na.

É essa pressuposição "dogmática" – segundo Esposito – que impediu de dar-lhe uma definição compartilhada. Já que se pressupõe o que, ao contrário, se deveria explicar. Criticar. Isto é, a relação entre teologia e política. Não seria essa, talvez, a tarefa da filosofia? Sobretudo da filosofia contemporânea?

Dever-se-ia explicar – criticar filosoficamente – a "suposta" vocação política da dimensão religiosa e vice-versa. Explicar – criticar filosoficamente – o "suposto" enraizamento religioso do agir político. Em vez disso, na "relação entre teologia e política – observa Esposito – nenhuma das duas tem uma precedência absoluta". Uma mesma dinâmica – a da teologia política – que tende a uma síntese unitária. Recorrendo àquela que Esposito define como "inclusão excludente".

Teologia política – especifica Esposito – é a parte subalterna que, ao longo da história, foi incluída mediante a sua exclusão, foi a do corpo com relação à alma, a da natureza, dos animais, das mulheres com relação ao homem, a das crianças com relação aos adultos, a dos doentes com relação aos sadios, a dos loucos com relação aos normais, a dos escravos com relação aos livres, a dos negros com relação aos brancos, a dos judeus com relação aos arianos, a dos gays com relação aos heterossexuais, e assim por diante.

É desse dispositivo hierarquizante e autoritário que tende a reduzir o Dois – a multiplicidade diferenciada e imanente do ser vivo – ao Uno – a abstração indiferenciada e transcendente da Norma – que devemos nos libertar.

É dessa infernal "máquina excludente" da teologia política, dentro da qual os nossos corpos e os nossos pensamentos estão presos, que devemos sair, diz Esposito.

Mas não é fácil. Porque foi uma "máquina" – a teológico-política – que "pôs em forma" toda a civilização ocidental. Alavancando principalmente a noção "proprietária" de pessoa. O que nos é dado fazer – conclui Esposito – é subtrair o pensamento da vocação apropriante, individualista e excludente da pessoa. E restituí-lo – no rastro de uma tradição de pensamento "maldita", que vai de Averróis, Dante, Bruno, Spinoza a Nietzsche e Deleuze – a todo o gênero humano.

Porque o pensamento não é – como se acredita – uma propriedade do indivíduo, mas sim um "bem comum". É talvez o primeiro e mais importante "bem comum" que hoje, mais do que nunca, deveríamos reivindicar. Para, finalmente, tornar a democracia não mais uma instituição teológico-política "vertical" de filhos assujeitados a um Pai, mas sim uma relação "horizontal" de simples irmãos.

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …