Pular para o conteúdo principal

O Administrador Diocesano


Brasão de João Paulo Pp. II
A figura do Administrador Diocesano entra em cena quando o Bispo diocesano deixa o ofício eclesiástico: seja por transferência, aposentadoria ou renúncia aceita.
O governo da Diocese até a nomeação do Administrador Diocesano é determinado pelo c. 419:
Ficando vacante a sé, o governo da diocese, até a constituição do Administrador diocesano, é confiado ao Bispo auxiliar e, se forem mais de um, ao mais antigo pela promoção; não havendo Bispo auxiliar, ao colégio dos consultores, a não ser que a Santa Sé tenha providenciado de outro modo. Quem assim assumir o governo da diocese deve convocar sem demora o colégio competente para designar o Administrador diocesano.
Assim que se determine a vacância da Sé episcopal, abre-se na Diocese uma situação canônica transitória, que perdurará somente até a constituição do Administrador diocesano. Nesta fase de transição, o governo ad interim da Diocese deve seguir a seguinte ordem:
Primeiro passa ao Bispo auxiliar; na hipótese que exista o Bispo coadjutor, esse se torna ipso jure Bispo diocesano, dummodo possessionem legitime ceperit, a teor do c. 409, §1:
Ficando vacante a sé episcopal, o Bispo coadjutor torna-se imediatamente Bispo da diocese para a qual fora constituído, contanto que tenha tomado posse legitimamente.
Segundo, se os Bispos auxiliares são mais de um, a regência da diocese compete ao Bispo Auxiliar mais antigo por promoção e isto em relação ao decreto de eleição como Bispo e não em relação à efetiva ordenação episcopal.[1]
Terceiro, na falta de um Bispo auxiliar, o governo da Diocese passa ao Colégio dos Consultores, a teor do c. 502, § 1:
Ao Colégio dos consultores preside o Bispo diocesano; ficando, porém, a sé impedida ou vacante, preside aquele que substitui interinamente o Bispo, ou então, se ainda não foi constituído, o sacerdote mais antigo por ordenação no colégio dos consultores.
Exceto se a Sé Apostólica tenha providenciado diversamente. No CIC 1917, o governo passava ao Capítulo Catedral (c. 431, § 1, CIC 1917), que poderia ainda hoje exercitar tal função caso a Conferência Episcopal estabelecesse que as atribuições do Colégio dos Consultores fossem confiadas a ele, a teor do c. 502, § 3:
A Conferência dos Bispos pode determinar que as funções do colégio dos consultores sejam confiadas ao cabido da catedral.
O poder de quem assume o governo interino da Diocese até a nomeação do Administrador Diocesano é “ordinário”, mas limitado. A teor do c. 426:
Estando a sé vacante, quem governar a diocese antes da designação do Administrador diocesano tem o poder que o direito reconhece ao Vigário geral.
O Colégio dos Consultores, eventualmente o Capítulo Catedral, devem agir colegialmenteporque são órgãos colegiais. Todavia não é proibido, apesar de pouco conforme ao Direito comum, que os Consultores ou os Capitulares exerçam a turno o poder que compete ao Colégio ou Capítulo inteiro.[2]
1.1. A Eleição do Administrador Diocesano.
Exceto quando a Sé Apostólica tenha disposto diversamente, a designação do Administrador Diocesano compete ao Colégio dos Consultores, ou ao Capítulo Catedral, na hipótese prevista pelo c. 502, § 3, como vimos acima.
A convocação dos Consultores será feita pelo Bispo auxiliar, se ele assumiu o governo interino da Diocese; ou então por quem tem a presidência do Colégio dos Consultores, a teor do c. 502, § 2; ou do Capítulo Catedral, a teor do c. 507, § 1:
Entre os cônegos haja um presidente do cabido; constituam-se também outros ofícios, de acordo com os estatutos, levando-se em conta também o costume vigente na região.
A eleição do Administrador Diocesano deve acontecer entre oito dias da notícia certa da vacância da Sé episcopal. O tempo é “útil”, a teor do c. 201, § 2:
Por tempo útil entende aquele que de tal modo compete a quem exerce ou persegue seu direito, que não transcorre para quem o ignora ou está impossibilitado de agir.
O tempo é útil mesmo se no c. 421, § 2 é dito quavis de causa:
Se o Administrador diocesano, por qualquer motivo, não tiver sido eleito legitimamente dentro do tempo prescrito, sua nomeação se transfere para o Metropolita, e se estiver vacante a própria sé metropolitana, ou, ao mesmo tempo, a sé metropolitana e a sufragânea, transfere-se ao Bispo sufragâneo mais antigo pela promoção.[3]
A mesmíssima expressão – quavis de causa – estava no correspondente c. 432, § 2, do CIC 1917; e, segundo a interpretação comum da doutrina canônica, não rendia o tempo “contínuo”, a teor do c. 201, § 1: Por tempo contínuo entende-se aquele que não sofre nenhuma interrupção.
Os oito dias são taxativos, portanto, se neste tempo, por qualquer causa – quavis de causa – a eleição do Administrador Diocesano não tenha acontecido ou não tenha acontecido de modo legítimo, a sua “nomeação” fica devoluta ipso jure ao Metropolita e, em caso de vacância da Sé metropolitana e daquela sufragânea, ao Bispo sufragâneo promotione antiquior: não em relação à consagração episcopal, nem à nomeação como sufragâneo daquela determinada Província eclesiástica, mas em relação à eleição episcopal.
No c. 425 é disposta outra causa de “devolução” ao Metropolita:
§ 1: Para o ofício de Administrador diocesano, só pode ser indicado validamente um sacerdote que já tenha completado trinta e cinco anos de idade e ainda não tenha sido eleito, nomeado ou apresentado para essa sé vacante.
§ 3: Se não tiverem sido respeitadas as condições prescritas no § 1, o Metropolita ou, se estiver vacante a própria Igreja metropolitana, o Bispo sufragâneo mais antigo pela promoção, depois de tomar conhecimento da verdade, nomeie por essa vez o Administrador; os atos de quem tiver sido eleito contra as prescrições do § 1 são nulos pelo próprio direito.
A Sé Apostólica deve ser informada tempestivamente – quantocius – da morte do Bispo. É uma obrigação do Bispo auxiliar e, em sua falta, do Colégio dos Consultores. Igualmente, é dever daquele que foi eleito ou nomeado como Administrador Diocesano, informar a Sé Apostólica da sua eleição, a teor do c. 422:
O Bispo auxiliar ou, na falta dele, o colégio dos consultores informe, quanto antes, a Sé Apostólica da morte do Bispo; assim também, quem for eleito Administrador diocesano informe-a de sua eleição.[4]
1.2. Normas para a Eleição do Administrador Diocesano.
1.2.1. O Princípio da “Unicidade”.
No c. 423, § 1 é estabelecido que o Administrador Diocesano seja um só. A disposição é ad validitatem. Se fossem eleitos simultaneamente dois ou mais “Administradores”, a eleição seria inválida para todos. O costume contrário é reprovado:
Reprovado o costume contrário, seja designado um só Administrador diocesano; caso contrário, a eleição é nula.[5]
A unicidade do Administrador é requerida por motivos pastorais: assegurar a unidade de governo e não dar ocasião a discórdias e contrastes. Em virtude do c. 423, § 2, existe incompatibilidade entre o ofício de Administrador Diocesano e o ofício de Ecônomo Diocesano:
O Administrador diocesano não pode ser, ao mesmo tempo, ecônomo; por isso, se o ecônomo da diocese tiver sido eleito Administrador, o conselho econômico eleja outro ecônomo interino.
Portanto, quando for eleito como Administrador Diocesano o atual Ecônomo Diocesano, deve-se nomear temporariamente – pro tempore – um outro Ecônomo. Com a vinda do novo Bispo Diocesano, o Administrador Diocesano decai do seu atual ofício e retoma o ofício precedente de Ecônomo da Diocese.
A nomeação do Ecônomo interino, a teor do c. 423, § 2, compete ao Conselho para Assuntos Econômicos, que naturalmente será convocado e presidido pelo Administrador diocesano, que há as mesmas atribuições e faculdades de Bispo diocesano, a teor do c. 427, § 1:
O Administrador diocesano tem as obrigações e o poder do Bispo diocesano, com exclusão do que se excetua pela natureza da coisa ou pelo próprio direito.[6]
1.2.2. Normas Ad Validitatem.
No c. 424 é prescrito ad validitatem a observância dos cc. 165-178, que regulam a eleição a um ofício eclesiástico. Tais normas são taxativas, tratando-se de uma eleição extremamente importante; e nenhum Direito particular ou estatutário poderia mudá-las. Podem, porém ser integradas naquilo que os cânones permitem.
Por exemplo, voto por carta ou por procurador, a teor do c. 167, § 1:
Feita legitimamente a convocação, têm direito de votar os presentes no dia e no lugar determinados na convocação, excluída a faculdade de votar por carta ou por procurador, salvo determinação legítima em contrário nos estatutos.
Por exemplo, proibição da eleição por compromisso, a teor do c. 174, § 1:
A eleição, salvo determinação contrária do direito ou dos estatutos, pode também ser feita por compromisso, contanto que os eleitores, com consenso unânime e escrito, transfiram por essa vez o direito de eleger a uma ou mais pessoas idôneas, quer do grêmio, quer estranhas; estas, em virtude da faculdade recebida elejam em nome de todos.
Por exemplo, prescrição de uma maioria qualificada, contra o dispositivo do c. 119, n. 1:
No que se refere aos atos colegiais, salvo determinação contrária do direito ou dos estatutos:
1º tratando-se de eleições, tem força de direito aquilo que, presente a maior parte dos que devem ser convocados, tiver agradado á maioria absoluta dos presentes; depois de dois escrutínios ineficazes, faça-se a votação entre os dois candidatos que tiverem conseguido a maior parte dos votos, ou, se forem mais, entre os dois mais velhos de idade; depois do terceiro escrutínio, persistindo a paridade, considere-se eleito o mais velho de idade.
E também o c. 176:
Salvo determinação contrária do direito ou dos estatutos, considera-se eleito e seja proclamado, pelo presidente do colégio ou grupo, quem tiver obtido o número de votos requeridos, de acordo com o cân. 119, n. 1.
1.3. Dotes e Qualidades do Eleito.
Algumas qualidades do Presbítero a ser eleito são ad validitatem, outras são apenas ad liceitatem.
Ad validitatem é prescrito que o Administrador diocesano seja Sacerdote, ou seja, Presbítero ou Epíscopo; tenha completado 35 anos de idade; não tenha sido eleito, nomeado ou apresentado como Bispo diocesano para a mesma Sé vacante.
Pode ser eleito qualquer Sacerdote, mesmo de outra Igreja Particular ou também um Religioso. Neste caso, todavia, é necessário o consentimento do seu próprio Bispo ou do Superior religioso competente.
Ad liceitatem é prescrito que o eleito seja um Sacerdote que se distinga por doutrina e prudência, e obviamente também por integridade de costumes e por piedade, como acrescentava o CIC 1917, no c. 434, § 2.
A não observância das condições prescritas ad validitatem rende absolutamente nula a eleição, e os eventuais atos postos pelo “eleito” são igualmente nulos ispo jure, exceto no caso desuplência da parte da Igreja prevista pelo c. 144, § 1:
No erro comum de fato ou de direito, bem como na dúvida positiva e provável, seja de direito, seja de fato, a Igreja supre, para o foro tanto externo como interno, o poder executivo de regime.
Dever-se-á proceder a uma nova eleição de outro Administrador diocesano, e esta compete pro ea vice ao Metropolita, ou, em caso de vacância da mesma Igreja metropolitana, ao Bispo sufragâneo mais antigo por promoção, ou seja, por eleição como Bispo.[7]
1.4. A Posse do Administrador Diocesano.

1.4.1. O Ofício do Administrador Diocesano.
Quem assume interinamente o governo da Diocese, a teor do c. 419, há somente as faculdades e as atribuições que o Direito reconhece ao Vigário Geral, como determina o c. 426:
Estando a sé vacante, quem governar a diocese antes da designação do Administrador diocesano tem o poder que o direito reconhece ao Vigário geral.[8]
O Administrador diocesano, por sua vez, há o poder e as obrigações do próprio Bispo diocesano, com exceção de quanto é excluído pela natureza mesma das coisas ou pelo próprio direito, a teor do c. 427:
§ 1: O Administrador diocesano tem as obrigações e o poder do Bispo diocesano, com exclusão do que se excetua pela natureza da coisa ou pelo próprio direito.
§ 2: O Administrador diocesano, aceita a eleição, obtém o poder sem que se requeira a confirmação de ninguém, firme a obrigação mencionada no cân. 833, n. 4.
O Administrador diocesano é, portanto, Ordinário local, a teor do c. 134, § 2, e o seu poder é próprio não vicário, como aquela do Vigário capitular da legislação anterior, o qual regia a Diocese loco Capituli:[9]
Com o nome de Ordinário local se entendem todos os mencionados no § 1, exceto os Superiores dos institutos religiosos e das sociedades de vida apostólica.
A saber: o Romano Pontífice, os Bispos diocesanos e os outros que, mesmo só interinamente, são prepostos a alguma Igreja particular ou a uma comunidade a ela equiparada, de acordo com o c. 368; os que nelas têm poder executivo ordinário geral, isto é, os Vigários gerais e episcopais.
A eleição ao ofício de Administrador diocesano não necessita de nenhuma confirmação. Portanto, em conformidade com o princípio estabelecido no c. 178, assim que o Presbítero eleito aceita a eleição, obtém o ofício e o relativo poder ipso jure. Permanece somente o dever de uma formalidade: a Profissão de Fé diante do Colégio dos Consultores, ad normam do c. 833, n. 4:
Têm obrigação de fazer pessoalmente a profissão de fé, segundo a fórmula aprovada pela Sé Apostólica: diante do colégio dos consultores, o Administrador diocesano.
1.4.2. Proibições ao Administrador Diocesano.
A primeira proibição ao Administrador diocesano é de caráter geral, e proíbe segundo um velho princípio jurídico, que, durante a vacância da Sé, se inove qualquer coisa:
Sede vacante nihil innovetur, a teor do c. 428, § 1: Durante a sé vacante, nada se modifique. Tal princípio há sua concretização exemplificativa no c. 428, § 2:
Os que cuidam do governo interino da diocese são proibidos de fazer qualquer coisa que possa de algum modo prejudicar a diocese ou os direitos episcopais; em particular, são proibidos ele próprios, e por isso qualquer outro, por si ou por outros, de retirar ou destruir documentos da Cúria diocesana ou neles modificar coisa.[10]
A todos aqueles que têm ad interim o governo da Diocese, é vetado de realizar qualquer ato que possa resultar em algum prejuízo à Diocese e aos direitos episcopais. Em modo especial é proibido a eles, como a qualquer outro, seja pessoalmente que por meio de outros, de subtrair ou destruir ou alterar em qualquer modo, qualquer documento da Cúria diocesana.
Com efeito, tanto quem tem o governo interino da Diocese, quanto o Administrador diocesano, devem compreender que sua tarefa é temporária; por isso tem a obrigação de conferir, por quanto é possível, um caráter de provisoriedade às suas decisões, abstendo-se daqueles atos que poderiam criar dificuldades ao futuro Bispo diocesano, com direitos adquiridos e fatos realizados.[11]

1.4.3. Residência e Missa Pro Populo.
O c. 429 invoca a obrigação do Administrador diocesano, com as mesmas modalidades prescritas nos cc. 388 e 395 relativamente ao Bispo diocesano, a saber: a residência na Diocese e a aplicação da Missa pro populo:
O Administrador diocesano tem obrigação de residir na diocese e de aplicar a missa pelo povo, de acordo com o cân. 388.
O ofício de Administrador diocesano cessa de dois modos: cessação ipso jure e cessação por remoção ou renúncia.
O ofício do Administrador diocesano há caráter interino, cessa ipso jure com a tomada de posse da Diocese da parte do novo Bispo diocesano, a teor do c. 430, § 1:
O ofício de Administrador diocesano cessa com a tomada de posse do novo Bispo da diocese.[12]
A remoção do Administrador diocesano é reservada exclusivamente à Sé Apostólica. O Colégio dos Consultores, que o elegeu, é completamente incompetente nesta matéria, a teor do c. 430, § 2:
A remoção do Administrador diocesano é reservada à Santa Sé; uma renúncia que, por acaso, seja feita por ele deve ser exibida em forma autêntica ao colégio que é competente para sua eleição, e não precisa de aceitação; no caso de remoção, renúncia ou morte do Administrador diocesano, seja eleito outro, de acordo com o cân. 421.
A eventual renúncia do Administrador diocesano não poder ser infectada por nenhum vício invalidante, a teor do c. 188:
A renúncia por medo grave, injustamente incutido, por dolo ou por erro substancial ou por simonia é ipso iure nula.
Tal renúncia ainda deve ser apresentada em forma autêntica, a teor do c. 189, § 1, ao Colégio dos Consultores, para que produza efeitos jurídicos; mas não necessita de aceitação da parte dos mesmos:
A renúncia, para ser válida, necessite ou não de aceitação, deve ser feita à autoridade à qual compete a provisão do ofício em questão, por escrito ou oralmente diante de duas testemunhas.
1.4.4. Outras Faculdades do Administrador Diocesano.
Ainda é faculdade do Administrador diocesano, ad normam juris quanto segue:
Primeira: a abertura do Arquivo Secreto, a teor do c. 490, § 2:
Estando vacante a sé, o arquivo ou armário secreto não seja aberto, a não ser pelo próprio Administrador diocesano em caso de verdadeira necessidade.[13]
Segunda: a remoção do Chanceler da cúria e dos outros Notários, a teor do c. 485:
O chanceler e os outros notários podem ser livremente destituídos do ofício pelo Bispo diocesano; não, porém, pelo Administrador diocesano, a não ser com o consentimento do colégio dos consultores.[14]
Terceira: dar Cartas Dimissórias, a teor do c. 1018, § 1, n. 2; e § 2:
Podem dar cartas dimissórias para os seculares:
2º o Administrador apostólico e, com o consentimento do colégio dos consultores, o Administrador diocesano; com o consentimento do conselho mencionado no cân. 495, § 2, o Pró-vigário e o Pró-prefeito apostólico.
§ 2. O Administrador diocesano, o Pró-vigário e o Pró-prefeito apostólico não concedam cartas dimissórias àqueles a quem tiver sido negado o acesso às ordens pelo Bispo diocesano ou pelo Vigário ou Prefeito apostólico.[15]
Quarta: conceder as licenças de excardinação, de incardinação e de transferência em outra Igreja particular, após um ano de vacância da sé episcopal, a teor do c. 272:
O Administrador diocesano não pode conceder excardinação e incardinação, ou licença para transferir-se a outra Igreja particular, a não ser após um ano de vacância da sé episcopal e com o consentimento do colégio dos consultores.[16]
Quinta: a instituição e a nomeação dos Párocos, a teor do c. 525:
Vacante ou impedida a sé, compete ao Administrador diocesano ou a outro que governe interinamente a diocese:
1º dar instituição ou confirmação a sacerdotes legitimamente apresentados ou eleitos para uma paróquia;
2º nomear os párocos, se a sé estiver vacante ou impedida há um ano.[17]
Sexta: destituir os Vigários paroquiais, c. 552:
O Vigário paroquial pode ser destituído pelo Bispo diocesano ou pelo Administrador diocesano por justa causa, salva a prescrição do cân. 682, § 2.[18]


[1] Cf. Communicationes, a. 1982, p. 220, c. 442, n. 2.
[2] Cf. L. CHIAPPETTA [1988], nn. 1900-1901.
[3] Cf. P. V. PINTO [2001], p. 252.
[4] Cf. L. CHIAPPETTA [1988], nn. 1902-1907.
[5] Cf. P. V. PINTO [2001], p. 253.
[6] Cf. Ibidem, p. 254.
[7] Cf. L. CHIAPPETTA [1988], nn. 1908-1912.
[8] Cf. P. V. PINTO [2001], p. 254.
[9] Cf. CIC 1917, c. 432, § 1.
[10] Cf. P. V. PINTO [2001], p. 255.
[11] Cf. L. CHIAPPETTA [1988], nn. 1915-1919.
[12] Cf. P. V. PINTO [2001], p. 255.
[13] Cf. Ibidem, pp. 288-289.
[14] Cf. Ibidem, p. 286.
[15] Cf. Ibidem, p. 609.
[16] Cf. Ibidem, p. 163.
[17] Cf. Ibidem, p. 319.
[18] Cf. L. CHIAPPETTA [1988], n. 1922.

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …