Pular para o conteúdo principal

Festa do Santo Cura d'Ars, o sacerdote simples que ensinou como tornar-se amigo de Jesus

  

Cidade do Vaticano (RV) - A Igreja, que desde 1925 venera São João Maria Vianney como patrono dos párocos, celebra neste 4 de agosto a sua memória litúrgica, sendo universalmente conhecido como o Santo Cura d'Ars.

Tendo vivido entre 1786 e 1859, a sua obra pastoral realizada durante 40 anos num pequeno vilarejo do sul da França tornou-se um modelo de santidade sacerdotal. Em 2009, Bento XVI confiou o Ano Sacerdotal à sua figura e proteção, traçando-lhe um admirável retrato.

O mais Santo dos párocos da história da Igreja era considerado, pela maior parte de seus formadores, uma lástima. Quando se tornou sacerdote, aos 29 anos, João Maria Vianney era praticamente considerado "idoso". A culpa disso era de um grave atraso de partida – aos 17 anos entendia muito mais de ovelhas e bois, dos quais se ocupava desde criança, do que dos livros – e, sobretudo, o tempo dedicado ao estudo do latim, com irremediável dificuldade de aprendizagem.

A vida do futuro Cura d'Ars foi um verdadeiro romance. Desde jovem era alegre e sensível à fé, mas quando pensou no seminário não tinha condições econômicas para pagar as parcelas e quando um generoso sacerdote, que o ajudou por muitos anos, se ofereceu para que ele começasse a preparação, as dificuldades de aprendizagem e os freqüentes fracassos fizeram dele objeto de chacota: um despreparado, bom para trabalhar no campo, e não para o austero prestígio da batina.

Porém, conseguiu tornar-se sacerdote, grato a Deus como poucos pelo dom recebido, e se lançou com ardor em sua missão.

Foi uma chama que não se atenuou quando descobriu para onde deveria transferir-se: uma paróquia num rincão perdido da França, Ars, casas de taipa, 200 habitantes e uma situação coletiva de grande ignorância.

Aí, do coração daquele jovem padre "idoso" por muitos julgado insipiente, brotou um prodígio que em pouco tempo transformou o vilarejo esquecido por Deus num vilarejo onde Deus escolheu uma casa. O que tinha acontecido o explicou Bento XVI quatro atrás:

"No serviço pastoral, tão simples quanto extraordinariamente fecundo, este anônimo pároco de um perdido vilarejo do sul da França conseguiu de tal modo ensimesmar-se com o próprio ministério, que se tornou, inclusive de modo visível e universalmente reconhecido, alter Christus, imagem do Bom Pastor, que, diferentemente do mercenário, dá a vida por suas ovelhas. A exemplo do Bom Pastor, ele deu a vida nas décadas de seu serviço sacerdotal."

O cura da zona rural era um homem pobre entre os pobres, que rezava muito, ia aos campos em busca de seus paroquianos, reunia seus filhos analfabetos para ensinar-lhes o catecismo e catequizava os adultos aos domingos, com homilias tão simples quanto incisivas que em pouco tempo na pequena igreja de Ars só tinha lugar para ficar de pé.

Sem dar trégua, iniciou uma luta contra as conseqüências da ignorância, por exemplo, combatendo o abuso do álcool, situação em que se encontravam muitos camponeses.

Do púlpito, lançou-se contra os botequins que, dizia, "roubam o pão de uma pobre mulher e de seus filhos servindo bebidas a estes embriagados que gastam no domingo tudo aquilo que ganharam durante a semana", colocando-se "abaixo dos animais mais bestiais".

Por outro lado, foi mestre do perdão sacramental, que administrava ininterruptamente durante horas, esquecendo-se até mesmo de alimentar-se:

"A sua existência foi uma catequese viva, que adquiria uma eficácia particularíssima quando as pessoas viam-no celebrar a missa, colocar-se em adoração diante do tabernáculo ou transcorrer muitas horas no confessionário."

Olhando para o modelo de sacerdócio iluminado do Cura d'Ars, o Papa agora emérito afirmou: "A credibilidade do testemunho e, definitivamente, a eficácia da própria missão de todo sacerdote, depende da santidade".

"Foi um 'apaixonado' por Cristo, e o verdadeiro segredo de seu sucesso pastoral foi o amor que tinha pelo Mistério eucarístico anunciado, celebrado e vivido, que se tornou amor pelo rebanho de Cristo, os cristãos e por todas as pessoas que buscam Deus." (RL)


Fonte: Radio Vaticano

Oração de São João Maria Vianney

Eu Vos amo, meu Deus, e o meu único desejo é amar-Vos até ao último suspiro da minha vida.

Eu Vos amo, Deus infinitamente bom, e prefiro morrer amando-Vos que viver um só instante sem Vos amar. 
Eu Vos amo, meu Deus, e só desejo o Céu para ter a felicidade de Vos amar perfeitamente. 
Eu Vos amo, meu Deus, e só temo o inferno porque aí nunca haverá a doce consolação de Vos amar. 
Meu Deus, se a minha língua não puder estar sempre a dizer que Vos amo, que o meu coração o diga tantas vezes como quantas eu respiro. 
Senhor, dai-me a graça de sofrer amando-Vos, de Vos amar sofrendo, e de um dia expirar amando-Vos e sentindo que Vos amo. 
E quanto mais me aproximo do meu fim, mais Vos imploro a graça de aumentar e aperfeiçoar o meu amor. Amém

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …