Pular para o conteúdo principal

Educação em casa: socialização não é um problema

Os resultados são um grande encorajamento a todas as famílias que educam em casa e aos pensamentos dos pais sobre Educação Domiciliar. Os estudantes educados em casa, tipicamente identificados como bem sucedidos academicamente, também mostram ter êxito socialmente.

Uma das mais persistentes críticas à educação domiciliar é a acusação de que pessoas educadas em casa não serão capazes de participar plenamente na sociedade por faltar-lhes a “socialização”. É um desafio que atinge diretamente o coração da educação domiciliar, porque se uma criança não é devidamente socializada, como ela será capaz de contribuir com a sociedade?
Desde a reemergência do movimento de educação domiciliar no final da década de 1970, os críticos da educação em casa têm perpetuado dois mitos. O primeiro diz respeito à habilidade dos pais de ensinarem adequadamente os seus filhos em casa; o segundo se as crianças educadas em casa serão bem ajustadas socialmente.
Provar o sucesso acadêmico é relativamente simples. Hoje é aceito que crianças educadas em casa, em média, superam seus colegas da escola pública. O mais recente estudo, “Homeschool Progress Report 2009” (Relatório do Progresso da Educação Domiciliar 2009), conduzido por Brian Ray, do National Home Education Research Institute (Instituto Nacional de Pesquisa da Educação Domiciliar), pesquisou mais de 11.000 estudantes educados em casa. Foi mostrado que o estudante médio educado em casa marcou 37 por cento a mais em testes de desempenho padronizados, em relação ao estudante médio da escola pública.
O segundo mito, no entanto, é mais difícil de tratar, porque as crianças que em número considerável foram educadas em casa no final da década de 1980 e início dos anos 90, apenas agora estão chegando à idade e à posição de demonstrarem se foram bem sucedidas como adultas.
As famílias que educam em casa em todo o país sabem que as críticas sobre socialização adequada são infundadas – elas veem as evidências em suas próprias casas. Para em parte resolver essa questão a partir da perspectiva de uma pesquisa, a Home School Defense Association (Associação para Defesa da Educação Domiciliar) comissionou um estudo em 2003 intitulado “Homeschooling Grows Up” (Educação Domiciliar Cresce), conduzido pelo Sr. Ray, para descobrir como as pessoas educadas em casa estavam se saindo como adultas. As notícias foram boas para a Educação Domiciliar. Em todas as áreas da vida, desde a obtenção de emprego, a estar satisfeito com sua educação em casa, a participar das atividades da comunidade, a votar, os adultos que haviam sido educados em casa eram mais ativos e envolvidos que seus colegas que haviam estudado nas escolas públicas.
Até recentemente, “Homeschooling Grows Up” era o único estudo que tratava da socialização de adultos educados em casa. Agora temos um novo estudo longitudinal chamado “Fifteen Years Later: Home-Educated Canadian Adults” (Quinze Anos Depois: Adultos Canadenses Educados em Casa). Este estudo pesquisou estudantes educados em casa cujos pais participaram em um estudo abrangente sobre Educação Domiciliar em 1994. O estudo comparou as pessoas educadas em casa que são hoje adultas com seus pares. Os resultados são espantosos.
Quando comparados a canadenses médios de idades entre 15 e 34 anos, os adultos canadenses educados em casa e de idades entre 15 e 34 anos se mostraram mais socialmente engajados (69 por cento participavam de atividades organizadas ao menos uma vez por semana, comparados a 48 por cento da população comparável). O rendimento médio das pessoas que haviam sido educadas em casa também era maior, mas talvez o mais significativo fosse que, considerando os 11 por cento de canadenses entre 15 e 34 anos dependentes de auxílios do governo, não havia nenhum caso de suporte governamental como fonte de renda primária para as pessoas educadas em casa. Os adultos educados em casa também eram mais felizes; 67,3 por cento descreveram a si mesmos como muito felizes, comparados a 43,8 por cento da população em comparação. Quase todos os adultos educados em casa – 96 por cento – achavam que a Educação Domiciliar havia os preparado bem para a vida.
Este novo estudo deve fazer com que muitos críticos repensem sua posição sobre a questão da socialização. Os adultos educados em casa não são apenas ativamente engajados na vida civil, como também estão sendo bem sucedidos em todas as esferas da vida. Muitos críticos acreditam, e alguns pais temem, que os estudantes educados em casa não serão capazes de competir no mercado de trabalho. Mas o novo estudo mostra que os jovens educados em casa são encontrados numa ampla variedade de profissões. Ser educado em casa não tem fechado as portas para as escolhas de carreira.
Os resultados são um grande encorajamento a todas as famílias que educam em casa e aos pensamentos dos pais sobre Educação Domiciliar. Os estudantes educados em casa, tipicamente identificados como bem sucedidos academicamente, também mostram ter êxito socialmente.
Tanto o “Homeschooling Grows Up” como o “Fifteen Years Later” demonstram amplamente que os jovens educados em casa graduados são ativos, envolvidos, cidadãos produtivos. As famílias que educam em casa estão liderando a educação americana e canadense, e este novo estudo claramente demonstra que os pais que educam em casa estão no caminho certo.

Publicado no site do The Washington Times.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

SUPORTAI-VOS UNS AOS OUTROS...

Muitas vezes tive que ouvir ou ler interpretações estranhas deste apelo que o Apóstolo Paulo faz à comunidade cristã que vivia em Colossos. Dizem que havia problemas e divisões tão graves dentro da comunidade, que Paulo já nem pode dizer-lhes “Amai-vos uns aos outros!”, mas se fica pelo apelo a que todos se aturem o melhor possível.
“Suportai-vos uns aos outros” não significa “Aturai-vos!”, mas antes “Sede o suporte uns dos outros!” É um apelo à comunhão mais profunda, à solidariedade mais consequente, à presença mais fraterna!

As comunidades de discípulos de Jesus devem nascer da escuta do Evangelho proclamado como um grito pascal que abre as pessoas à Esperança, ao desejo de uma Alegria maior e de uma  Liberdade duradoura...

No centro destas comunidades deve estar a experiência de Deus descoberto progressivamente no encontro com o Jesus dos evangelhos, no encontro com os irmãos, no discernimento dos acontecimentos quotidianos e na celebração  da Vida.
Deve tornar-se um espaço de partilh…

Operações de cocaína e nariz

Médicos clínicas de cirurgia plástica têm muito a dizer sobre os efeitos do uso de cocaína em muitos pacientes, alguns deles bem conhecidos e populares personagens que têm necessidade das mãos experientes do sono cirurgião.Reparação de um nariz consumida por drogas não é tarefa fácil, é uma operação muito complicada e perigosa para a saúde do paciente. Dado o grande aumento que ocorreu nos últimos anos, o presidente da Sociedade Espanhola de Cirurgia Estética apelou aos seus colegas de profissão para ser vigilante e não se deixe enganar pelos clientes de cocaína que vêm à consulta perguntando retocar o nariz ou problemas respiratórios que reivindicam. Quando se trata de comércio, parece que a verdadeira razão do problema e as complicações podem ser fatais e difícil de resolver. Reconstruir um nariz consumida por drogas é um trabalho que exige mãos experientes, seis ou sete horas de cirurgia e várias sessões até que esteja pronto.Os danos que a cocaína faz com que o nariz é terrível, po…