Pular para o conteúdo principal

ONU pressiona a Irlanda pela legalização do aborto

“Direito ao aborto” não existe em nenhuma legislação internacional



Em 2013, milhares de mulheres saíram às ruas
de Dublin na "Vigília pela Vida"

AS ASSOCIAÇÕES pró-vida irlandesas respondem à ONU, que continua a dizer que a legislação de Dublin sobre o aborto viola as normas internacionais sobre direitos humanos. Desde julho, Frances Fitzgerald, ministro da Justiça da Irlanda, vem sendo pressionado pelo Conselho para os direitos humanos das Nações Unidas em Genebra.

O Conselho considerou insuficiente o compromisso da Irlanda, assumido no ano passado, quando, para cumprir as exigências da ONU, alterou sua legislação sobre o aborto, com a aprovação de uma lei denominadaThe Protection of Life During Pregnancy Act, que acrescenta uma passagem relativa aos riscos para a mãe: em casos de condição física precária, e até se houver risco de suicídio da mãe, o aborto pode ser permitido. Isto foi considerado pouco pelo Conselho, segundo o qual a legislação irlandesa continua a "criminalizar" as mulheres grávidas, negando-lhes poder recorrer ao aborto" – que é definido como um “direito”. Yuval Sahny, relator da acusação, destacou que a Irlanda nega o acesso à "interrupção da gravidez, mesmo em circunstâncias em que nós, Estados, (membros) julgamos que tenha que ser uma obrigação permitir o aborto legal e seguro".

A ONU, no entanto, tem se encontrado com interlocutores nada dispostos a concordar com a concepção do aborto como um "direito da mulher". Esteve presente na discussão em Genebra Lorcan Price, advogado e representante da Campanha Pro-vida, associação irlandesa em defesa da vida. Price contestou a interpretação das Nações Unidas do conceito de direitos humanos: "Não existe nenhum 'direito ao aborto' na legislação internacional”. Portanto, não está só na Irlanda, mas em todo lugar a discordância com essa noção de direitos humanos. “Hoje, o riquíssimo lobbypró-aborto" – disse Lorcan – tenta enganar a Comissão de Direitos Humanos, argumentando que um ser humano ainda não nascido não tem direito de viver! Esta afirmação é completamente contrária às leis sobre direitos humanos!".

O Lobby referido por Lorcan tem nomes e sobrenomes. "Espero com todo o coração", – continuou ele, – "que o Comitê defenda o direito à vida e rejeite a pressão internacional dos grupos estadunidenses como o Center for Reproductive Rights, que querem impor a todo custo o regime do aborto na Irlanda. (...) Se a ONU assumisse uma posição explicitamente a favor do aborto, causaria um dano incalculável à sua credibilidade como organismo em defesa dos verdadeiros direitos humanos”.

Duro foi também o comentário da vice-presidente daPro-Life Campaigne, Cora Sherlock, à agência Lifenews, que definiu a audiência da Comissão com a Irlanda como "uma farsa", porque as Nações Unidas demonstraram ser "extremamente tendenciosas em favor do 'aborto". Como exemplo, Sherlock lembrou que da parte da ONU “nem mesmo um murmúrio de preocupação se levantou por causa das terríveis situações de países como a Inglaterra, onde as crianças que sobrevivem de um aborto não recebem assistência médica e são abandonadas à morte nos cantos”. Ainda sobre a Inglaterra, disse ela, o Conselho “não falou nada sobre o recente caso documentado em que os restos de 15 mil crianças abortadas foram queimados para produzir calor nos hospitais (!) ou que as gravidezes podem ser interrompidas por razões de deficiência do feto até no momento do parto”.

Sim. Estamos diante de uma farsa destinada a continuar. Espera-se agora que o Conselho se reúna novamente, para fazer um novo teste em base às declarações recolhidas e emitir assim suas observações conclusivas, daqui a duas semanas.

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …