Pular para o conteúdo principal

A Herética Teologia da Prosperidade



30.05.2009 – “O mundo está em perigo justamente por causa da ganância e este mal é legitimado pela teologia da prosperidade”.
Stanley Hauerwas
  -  Teólogo americano
A herética teologia da prosperidade está desmoralizada e detonada pela atual crise econômica mundial, e ironicamente onde ela nasceu: os Estados Unidos, e foi neste país onde também se originou essa terrível crise.
Essek W. Kenyon (1867-1948) foi o pensador americano na dimensão cristã do poder da confissão positiva da fé. Ele foi metodista, batista e depois um pregador pentecostal itinerante.
Podemos afirmar que o verdadeiro pai da teologia da prosperidade é outro pregador americano Kenneth E. Hagin (1917-2003). Ele foi batista e depois pentecostal. Após três visitas ao inferno e ao céu, converteu-se a Jesus. Sua meditação em Marcos 11,23.24, chegou à conclusão de que era necessário crer, determinar verbalmente a fé e agir como se já tivesse posse da bênção, ou seja, “creia no seu coração, determine com as suas palavras e receba a bênção”.
A bênção, a cura, milagre e a prosperidade têm como fundamento a “confissão positiva da fé com a devida determinação”. Focalizar, visualizar o bem que deseja receber e determinar como filho de Deus de que você tem direito na bênção de Abraão, em Isaías 53 e em Filipenses 4,13. Esse era o entendimento de Hagin, fez disso o seu ministério e a árvore de seus escritos, não precisa afirmar que a sua raiz foi completa e profundamente herética.
A POBREZA AMERICANA
Nos Estados Unidos, os sociólogos estão estudando um grupo ao qual aplicam o termo “quase pobres”. O risco de essas pessoas ficarem pobres é grande. Mais de 50 milhões de indivíduos estão nessa situação, apesar da grande riqueza do país.
Há 2,3 milhões de pessoas presas nos Estados Unidos e a população carcerária quadruplicou desde 1980. Há uma taxa de 750 presos por cem mil habitantes, a mais alta do mundo (1).
36,5 milhões de seus cidadãos vivem abaixo da linha da pobreza, segundo o Departamento de Saúde e Serviços Humanos. A eles, poderão se juntar outros 10,3 milhões de novos empobrecidos nos próximos meses.
17% das crianças vivem na pobreza: destas, 2 milhões, em extrema miséria.
O food stamps, programa federal que distribui às famílias um carnê, utilizado para a aquisição de bens de primeira necessidade, atende 29 milhões de pessoas.
São 45,7 milhões os norte-americanos sem assistência médica.
Em novembro de 2008, o percentual de desocupados era de 6,7 da população, a mais alta taxa dos últimos 14 anos.
Cresceu entre 35 e 40% a afluência dos pobres aos bancos alimentares, segundo a America’s Second Harvest. As doações, porém, aumentaram apenas 18%. (2).

DETONANDO A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE
A teologia da prosperidade é a base doutrinária das igrejas neopentecostais. Ela gera literaturas “ditas cristãs” de auto-ajuda, confissão positiva, batalha espiritual, determinação da bênção, quarta dimensão, sacrifícios por meios de dízimos e ofertas (fogueira de Israel), encontros de células e G12 da onda apostólica.
É fácil identificar as igrejas neopentecostais pelo seu triunfalismo exacerbado, liderança centralizadora e autoritária, seus líderes tem idolatria pela mídia, pregam demasiadamente a total saúde e riqueza, falam demais nos demônios como causadores de todas as desgraças e misérias, atacam vergonhosamente a Igreja Católica e em cima da boa fé dos fiéis constroem seu poderoso império religioso e financeiro.
Certo missionário neopentecostal disse pregando: Quando acreditamos na Palavra de Deus, ganhamos o poder de expulsar de nós e de nossos familiares os demônios do desemprego, da separação de casais, dos vícios, da prostituição e de tudo que é mal. A partir daí, todos os males vão embora, a pessoa prospera e tem vida em abundância. (3).

Os fatos a seguir provam que esse pregador mente e todos aqueles que ensinam a teologia da prosperidade e seus congêneres.

1. A FAO divulgou as novas estimativas sobre a fome no mundo: 2008 deverá terminar com 963 milhões de subnutridos, 40 milhões a mais que em 2007 (4).

2. Diante da perspectiva de 50 milhões de novos desempregados até 2010, segundo estimativas da Organização Internacional do Trabalho (OIT). (5) O Fundo Monetário Internacional (FMI) informou ontem que a crise econômica mundial vai afetar mais profundamente as economias, reduzindo o crescimento e fazendo o Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos em um país) global encolher 1,3% – o mesmo percentual de retração previsto para o Brasil. Em janeiro, o FMI ainda estimava que a economia brasileira cresceria 1,8% este ano. Para 2010, o organismo prevê que o Brasil crescerá 2,2%, contra os 3,5% estimados anteriormente. A queda da economia mundial será a maior desde a Segunda Guerra Mundial, com recessão atingido 75% das economias do planeta, segundo o estudo “Perspectivas para a economia mundial”, divulgado ontem. Os países da América Latina, como um todo, vão encolher 1,5% afetados, principalmente, pela queda nos preços internacionais das matérias-primas exportadas pela região. (O Globo, 23/04/09, p.17).

3. Nas últimas duas décadas, o número de favelados dobrou na Índia. Um relatório das Nações Unidas estima que daqui a 20 anos metade da população estará em favelas, com o aumento do fluxo migratório do campo para a cidade. Um quarto dos indianos esta abaixo da linha da miséria, sobrevivendo com menos de US$ 1 por dia (6).
Dados do Instituto Municipal Pereira Passos (IPP) concluiu que o Rio de Janeiro ganhou mais 218 novas favelas. Elas são agora 968, contra 750 registradas em 2004, ano do último levantamento do Instituto (7).

O americano Ronald J. Sider, professor de teologia e de políticas públicas, colaborador da Cristianity Today e autor do livro “O Escândalo do Comportamento Evangélico”, escreve: “Nos Estados Unidos o divórcio é mais comum entre crentes ‘nascidos de novos [que se dizem realmente convertido] do que entre a população em geral” (8).
Em 1999, uma pesquisa revelou o comportamento sexual dos casais evangélicos brasileiros. 56,9% informaram que praticavam regularmente sexo oral com o cônjuge e 15,5% praticam sexo anal regularmente com o cônjuge e 39,6% nunca o praticaram, mas gostaria de fazê-lo (9).

4. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em qualquer época, mais de 150 milhões de pessoas sofrem de depressão, cerca de 25 milhões sofrem de esquizofrenia, e 38 milhões de epilepsia. No Brasil, nos primeiros anos do século XXI 17 milhões de pessoas foram diagnosticadas como depressivas, “com o apoio desses dados e estatísticas, considerando a hipótese de que a depressão poderia estar se tornando um sintoma social no século XXI, diz a doutora em psicanálise pela PUC de São Paulo, Maria Rita Kehl (10).
De acordo com a (OMS), até hoje, cerca de 60 milhões de pessoas foram infectadas com o HIV, e cerca de 20 milhões morreram de AIDS. A vasta maioria das vítimas do HIV não tem acesso a tratamento adequado.

5. O número de divórcios no Brasil bateu recorde em 2007, quando a figura legal da dissolução do matrimônio completou 30 anos no país. Foi 179.342 registros de divórcios no ano passado, um número 200% maior do que o verificado em 1984, segundo dados divulgados na pesquisa Estatística do Registro Civil 2007, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (11).
Diante de tantos problemas sociais e humanos, não são oportunistas como: magos, gurus, astrólogos, profetas, médiuns e pregadores carismáticos e pentecostais da teologia da prosperidade que vão solucionar, ao contrário, os tais ganham muito dinheiro em cima do doente, do desempregado, do desesperado, da dor e do sofrimento das pessoas?

Tais pregadores são aves de rapina com o seu falso evangelho.

São Paulo Apóstolo chama esses pregadores de lobos cruéis (Atos 20,29), cães (Fl 3,2), falsificadores da Palavra de Deus (2 Cor 2,17), corruptos (2 Tm 3,1-8), apóstolos de Satanás (2Cor 11,13-15) e de hereges (Tito 3,10.11), porque eles pregam outro Jesus, outro espírito e outro evangelho (2 Cor 11,4).

Igrejas sérias com pastores sérios sofrem constrangimentos por causa desses fraudulentos mercadejantes do enganoso evangelho da saúde e da riqueza.
O ilustre historiador britânico e professor de História e Religião na Penn State University, nos Estados Unidos, Philip Jenkins escreve: “Os grupos pentecostais têm o tipo de Deus capaz de solucionar meus problemas de hoje e de amanhã. As pessoas de hoje buscam soluções, e não a eternidade”.

“As pessoas querem prosperidade – ou, pelo menos, a sobrevivência econômica -, mas igualmente crucial é a promessa de saúde, e a situação desesperadora da saúde pública nas novas cidades contribui muito para explicar a ênfase das novas igrejas na cura da mente e do corpo. Afora a gama geral de doenças que afetam os norte-americanos e os europeus, os pobres do terceiro Mundo também sofrem com doenças associadas à pobreza, à fome e à poluição, no que foi denominado de “sociedade patogênica”. A mortalidade infantil é assustadoramente alta, pelos padrões do Norte. 
Os ataques desses “demônios da pobreza” são ainda mais graves quando as pessoas vivem em climas tropicais, com todos os problemas provenientes das doenças e parasitas encontrados nessas regiões. Além dos males físicos, os problemas psiquiátricos e o abuso de vários tipos de drogas levam pessoas desesperadas a buscar refúgio em Deus. Tomando todas essas ameaças em conjunto – a doença, a exploração, a poluição, a bebida, as drogas e a violência – e, simples perceber por que é fácil as pessoas aceitarem a afirmação de que estão sendo acossadas por forças demoníacas e só a intervenção divina poderá salvá-las”

O professor Philip Jenkins critica com justiça esses mercenários da fé dizendo: “Em sua pior versão, um evangelho de fé voltado para o sucesso e a saúde pode promover abusos e materialismo, e é fácil escarnecer dele” (12).
CONCLUSÃO
O pregador temente ao bom Deus não prega a si próprio e nem as suas próprias ideologias contrárias ao santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
O arauto do Evangelho de Cristo não inventa, não recebe e nem passa adiante outro evangelho, pelo contrário, condena categoricamente todo evangelho espúrio.
O proclamador da Boa Nova exerce a nobre missão numa única visão: “por amor a Cristo”. Por amor a Cristo significa: “Pregar a verdade que liberta o pecador da perdição eterna e das garras dos falsos pregadores.

Para o verdadeiro pregador da gloriosa Palavra de Deus, não existe outro interesse, ao não ser o amor e paixão pela salvação das almas e por amor ao nosso Eterno Redentor.
Como verdadeiro profeta de Deus pode morrer doente (Eliseu 2 Rs 13,14), pode se tornar escravo (Daniel Dn 1,1-6), pode viver pobres (os apóstolos Mt 10,7-10; Atos 3,6; 2 Cor 11,25-28), pode ficar e viver doente (Epafrodito Fl 2,25-27; Timóteo, 1 Tm 5,23).

O mistério do espinho na carne do maior apóstolo e teólogo de todos os tempos: São Paulo (2 Cor 12,7-10).

Com todas as incompatibilidades, nada, absolutamente nada, impede ao fiel ministro de Cristo de anunciar a Boa Nova da salvação.
Há um grande poder que move o servo pregador de Deus a essa mais alta missão do mundo: “O amor a Cristo Jesus, Nosso Senhor e Salvador.
Como é magnífico viver para amar e executar o projeto d’Aquele que na cruz nos amou primeiro.
Pe. Inácio Jose do Vale
Pároco da Paróquia São Paulo Apóstolo
Professor de História da Igreja
Faculdade de Teologia de Volta Redonda
E-mail: pe.ianciojose.osbm@hotmail.com
NOTAS
(1) O Globo, 21/09/2008, p.31.
(2) Mundo e Missão, Março de 2009, p.17.
(3) Jornal Show da Fé, nº 32, pp. 12 e 19.
(4) Valor, sexta-feira e fim de semana, 2,3 e 4 de janeiro de 2009, p.A10.
(5) O Globo, 19/04/2009, p.25.
(6) O Globo, 01/03/2009, p.37.
(7) O Globo, 11/01/2009, p.14.
(8) Ultimato, Março-Abril, 2007, PP. 64 e 65.
(9) Jornal Hoje, Março, 1999, p.6.
(10) Valor, sexta-feira e fim de semana, 3,4 e 5 de Abril de 2009, p.17.
(11) Jornal do Brasil, 05/12/2008, p.A5.
(12) JENKINS, Philip. A Próxima Cristandade, Rio de janeiro: Record, 2004, p.112.
Eclésia, Setembro de 2002, p.51.

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …