Pular para o conteúdo principal

A Beleza

"Interroga a beleza da terra, interroga a beleza do mar, interroga a beleza do ar que se dilata e se difunde, interroga a beleza do céu... interroga a todas estas realidades. Todas respondem: ‘Vê, nós somos belas'. Sua beleza é uma proclamação. Estas belezas sujeitas a mudança, quem as fez senão a Suma Beleza, não sujeita à mudança?"[1]
beleza.jpg
Aberta a mão de Deus com a chave do amor, surgiram as criaturas[2]. Deus, com efeito, criou o mundo por um livre desígnio de sua bondade e de seu amor, não para aumentar a sua glória, mas para manifestar e comunicar a sua beleza.
Contudo, como Santo Agostinho, poderíamos indagar: "O que é a beleza? O que nos atrai e afeiçoa às coisas que amamos?"[3]
Parece-nos que o melhor interpretador de Santo Agostinho é São Tomás, embora o Doutor Angélico não tenha elaborado comentários das obras do Doutor da Graça tal como ele fez com as obras de Aristóteles ou com as Sentenças de Pedro Lombardo. Portanto, para compreender melhor o que é a beleza recorremos à doutrina tomista.
I - Essência da beleza
A beleza designa aquilo que suscita no homem o sentimento de admiração. De acordo com São Tomás: "pulchra dicuntur quae visa placent" - "chama-se belo aquilo cuja vista agrada" (I, q. 5, a. 4, ad 1). Ouçamos o Doutor Angélico expor esta doutrina:
"Lo bello es lo mismo que el bien con la sola diferencia de razón. En efecto, siendo el bien lo que apetecen todas las cosas, es de la razón del bien que en él descanse el apetito; pero pertenece a la razón de lo bello que con su vista o conocimiento se aquiete el apetito. Por eso se refieren principalmente a lo bello aquellos sentidos que son más cognoscitivos, como la vista y el oído al servicio de la razón, pues hablamos de bellas vistas y bellos sonidos. En cambio, con respecto a los sensibles de los otros sentidos no empleamos el nombre de belleza, pues no decimos bellos sabores o bellos olores. Y así queda claro que la belleza añade al bien cierto orden a la facultad cognoscitiva, de manera que se llama bien a lo que agrada en absoluto al apetito, y bello a aquello cuya sola aprehensión agrada".[4]

II - Elementos constitutivos e divisão
Três são os elementos constitutivos da beleza:
a) Primeiro, integridade ou perfeição (integritas), pois as coisas inacabadas, enquanto tal, são feias.
b) Também se requer a devida proporção ou harmonia (debita proportio).
c) Por último, se precisa a claridade e o esplendor, motivo pelo qual aquilo que tem cores claras e nítidas são chamadas belas (claritas).[5]
Dois são os gêneros de beleza: a física, que se refere à beleza do corpo, e a espiritual, que se refere à beleza da alma. "A beleza do corpo consiste em que o homem tenha os membros corporais bastante proporcionados, com um certo esplendor da cor conveniente. De igual modo, a beleza espiritual consiste em que a conduta do homem, isto é, suas ações, seja proporcionada segundo o esplendor espiritual da razão" [6].

III - A beleza na criação
Dispondo tudo com medida, número e peso (cf. Sb 11,20), estabeleceu "na obra de suas mãos" (Sl 18,2) uma variedade de graus segundo a natureza e a perfeição dos seres. Assim, da mesma forma como o efeito reflete a causa, nas criaturas irracionais encontram-se vestígios do Criador, de maneira que "as perfeições invisíveis de Deus, seu sempiterno poder e divindade, se tornam visíveis mediante suas obras" (Rom 1, 20). Por causa disto, se interrogássemos a todas estas criaturas, todas responderiam: "Vê, nós somos belas, porque somos reflexos visíveis da beleza infinita e invisível de nosso Criador".
Mas, num grau acima esta o homem, que é a "única criatura na terra à qual Deus amou por si mesma"[7] e a "única capaz de conhecer e amar a seu Criador".[8] Isto se deve a que no homem não encontramos somente vestígios de Deus, mas também a sua "imagem e semelhança" (Gen 1, 26). Com efeito, "ainda que em todas as criaturas exista alguma semelhança de Deus, só na criatura racional se encontra a semelhança de Deus como imagem".[9] Por causa disto, se interrogássemos os homens, todos responderiam: "Vê, nós somos belos, e possuímos uma beleza incomparavelmente maior à das criaturas irracionais por sermos imagens da Suma Beleza. Porém, esta beleza em nós é passível de aumento ou diminuição, posto que a imagem de Deus na alma se possui enquanto é conduzida ou possa ser conduzida a Deus[10]; ou seja, nós somos belos na medida em que estejamos na graça de Deus e na medida em que a nossa conduta e nossas ações sejam proporcionadas segundo o esplendor espiritual da nossa razão".
Pe. Rodrigo Solera Lacayo, EP
[1] Sem. 241,2.
[2] Cf. S. Tomás de A. sent. 2, prol : "Aperta manu clave amoris creaturæ prodierunt".
[3] Confess. 4, 13, 20.
[4] I-II, q. 27, a. 1, ad 3.
[5] Cf. I, q. 39, a.8.
[6] II-II, q. 145, a. 2.
[7] Gaudium et Spes, 24,3.
[8] Gaudium et Spes, 12,4.
[9] I, q. 93, a. 6.
[10] Cf. I, q. 93, a. 8.


Conteúdo publicado em gaudiumpress.org

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …