Pular para o conteúdo principal

Qual a importância dos Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão?

Ministro-da-Sagrada-Comunhão
A atuação dos ministros extraordinários da Sagrada Comunhão é algo muito comum em nossas paróquias e muitos leigos falam inclusive de um chamado, uma vocação à este ministério, uma grande missão.
Os ministros prestam um belíssimo e honroso serviço de caridade aos demais fiéis para que todos possam receber Jesus Eucarístico sem prolongar excessivamente a missa e isso é muito louvável. Também é importante ressaltar que o ministro é tão indigno de fazer isso que ao distribuir a comunhão seria importante que a contrição e o desejo de agradar à Deus em sua vida e conduta pessoal crescessem.
Porém no nosso país a atuação dos mesmos é considerada, excedendo sua importância, uma vocação para a vida toda, até mesmo uma pastoral fixa ou cargo vitalício e isso é completamente falso. São chamados ministros “extraordinários” justamente porque a presença e atividade deles deve ser algo incomum.
A disciplina da Igreja possui uma instrução chamada “Acerca de Algumas Questões sobre a Colaboração dos Fiéis Leigos no Sagrado Ministério dos Sacerdotes” em que apresenta a disciplina deste ministério no Art. 8.
No cânone §2 podemos ler, em diversos pontos, seu caráter de raridade na distribuição da comunhão:
“Para que o ministro extraordinário, durante a celebração eucarística, possa distribuir a sagrada comunhão, é necessário ou que não estejam presentes ministros ordinários [Bispo, presbítero ou diácono] ou que estes, embora presentes, estejam realmente impedidos.”
“Pode igualmente desempenhar o mesmo encargo quando, por causa da participação particularmente numerosa dos fiéis que desejam receber a Santa Comunhão, a celebração eucarística prolongar-se-ia excessivamente por causa da insuficiência de ministros ordinários.”
Este encargo é supletivo e extraordinário
“Para não gerar confusão, devem-se evitar e remover algumas práticas que há algum tempo foram introduzidas em algumas Igrejas particulares, como por exemplo: (…) o uso habitual de ministros extraordinários nas Santas Missas, estendendo arbitrariamente o conceito de «numerosa participação»”
Estas instruções deixam bem claro que os ministros deveriam ser raros e que seu uso excessivo e habitual não é permitido. São importantes para suprir a falta, mas não para serem funções comuns.
Quando vemos uma missa cheia de ministros não deveríamos nos felicitar e dizer que temos muitos agentes pastorais, mas deveríamos nos lamentar e entristecer pelo fato de que não existem sacerdotes suficientes para o povo de Deus e não existem diáconos entregues ao serviço litúrgico no nosso país e na nossa diocese, ou seja, que o Sacramento da Ordem está se extinguindo na Igreja.
Isso não é uma condenação aos ministros e nem à sua boa intenção, temos, na verdade, uma dívida de gratidão com sua entrega neste serviço litúrgico, porém é preciso que os ministros tenham consciência de que seria motivo de alegria não ser necessário recorrermos à eles. Isso inclusive é um virtuoso exercício de desapego da própria vontade e dos próprios trabalhos pastorais, ou seja, “amar à Deus até o desprezo de si” (Santo Agostinho).
Logo, concluímos que este serviço é muito belo e deve ter como principal fruto o crescimento na santidade, mas que não pode ser visto como uma vocação, pois na verdade a existência dos mesmos é fruto de uma crise nas vocações sacerdotais.
“A messe é grande, mas os operários são poucos. Pedi, pois, ao Senhor da messe que envie operários para sua messe.”

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …