Pular para o conteúdo principal

Fidelidade a Deus, obediência e liberdade



HÁ UM VERSÍCULO que aparece pelo menos quatro vezes nas Sagradas Escrituras: "O justo vive pela fé" (Hab 2,4; Rom 1,17; Gal 3,11; Hb 10,36).

A palavra "fé" na Bíblia é também traduzida como "fidelidade" a Deus. Fé é a atitude daquele que crê e obedece o SENHOR. Crer e obedecer são assim como duas faces de uma mesma moeda, dois aspectos de uma mesma realidade. Se eu creio que há um Deus que é Onipotente e Onisciente, que é meu Criador e Salvador, e que a Vontade deste Deus é sempre o melhor possível para a minha vida, não tenho como não obedecê-Lo, isto é, cumprir a sua Vontade. Neste sentido, São Paulo fala aos Romanos da "obediência da fé" (em Rm 1,5).

A fé é um ato de adesão a Deus, isto é, de submissão e também de cumplicidade, que implica obediência à sua perfeita Vontade. A fraqueza de nossa natureza humana, no entanto, impede muitas vezes que nossa fé seja coerente; muitas vezes os nossos atos não são conforme às exigências da fé. A verdade, porém, é que ao cristão não basta crer, é preciso obedecer.

Depois que o povo hebreu recebeu a Lei de Deus por meio de Moisés, exclamou: "Tudo o que o SENHOR falou, nós faremos e obedeceremos" (Ex 24,7). Esta era a vontade do povo. Entretanto, sabemos que este mesmo povo prevaricou tantas vezes, prestando culto aos deuses dos pagãos. Depois que Josué, no limiar da morte, conclamou o povo a ser fiel a Deus, e só a Ele prestar culto na terra que Deus lhe dava, o povo respondeu: "Ao SENHOR nosso Deus serviremos e à sua Voz obedeceremos" (Js 24,24). Mas sabemos que logo após atravessar o Rio Jordão e tomar posse da terra tão esperada, este povo não demorou a render-se aos encantos dos deuses dos cananeus.

Essas narrativas nos mostram que não é fácil para os seres humanos, – não foi para aquele povo assim como também não é para nenhum de nós, – viver a fidelidade a Deus. Também hoje os falsos deuses nos atraem e querem ocupar os lugares principais em nossos corações. É preciso vigiar e orar, diz o Cristo, e a triste realidade é que ninguém quer uma vida de vigilância e de oração. Temos sempre coisas mais divertidas para fazer, queremos fazer o que nos "der na telha", deixar "a vida nos levar"... Mas é exatamente por esta via que se prova aquele que ama a Deus verdadeiramente. Mesmo não querendo, este dedica o tempo necessário à oração. Mesmo sob a intensa tentação de ir fazer algo mais interessante, reserva um espaço em sua agenda para ler as Sagradas Escrituras. Mesmo sendo naturalmente egoísta, dedica-se ao serviço pelo próximo. Mesmo não querendo, mesmo sendo difícil, pratica a penitência quando devido. Mesmo não estando disposto, vai à Santa Missa, pelo menos todos os domingos e dias santos, e fora disso, sempre que possível. Todos estes são sinais de obediência, que é o selo da fé verdadeira. São provas de Amor e de fidelidade.


Foi para a liberdade que Cristo nos libertou

Sim, a obediência sempre foi e sempre será a prova e a garantia da fidelidade a Deus. Num aparente paradoxo, entretanto, o santo Apóstolo nos diz, no Livro sagrado, que Deus liberta àqueles que o encontram e lhe são fiéis (Gl 5,1; Jo 8,32). 

Ocorre que a obediência é também a prova da verdadeira liberdade. Não são livres aqueles que sem entregam, sem controle, aos próprios caprichos e desejos egoístas/hedonistas; pelo contrário, estes rapidamente se tornam escravos de muitos vícios. São sempre infelizes, vivem vidas vazias, desprovidas de sentido. São estes, os que não têm o sentido maior da vida que Deus nos dá, que cometem suicídio, e o fazem de diversas maneiras: alguns se atiram do alto de edifícios, outros entregam-se às drogas de todo tipo, outros se prostituem... Estas duas últimas são formas de suicídio lento. O demônio exulta.

Quando você se prostra para a oração, os demônios se contorcem de ódio. Se você permitir, eles soprarão aos seus ouvidos que você está perdendo tempo, que poderia estar fazendo algo muito mais útil, mais agradável... Mas não há lugar melhor para se estar do que aos Pés do Criador e Salvador de nossas vidas. É Ele quem nos dá sentido, saúde espiritual, mental e física, e nos dará, ao final, a vitória e a vida eterna. Então, lute e persista. Todos os santos e anjos estão ao seu lado.



Foi pela obediência que Jesus, sendo Deus, Princípio e Fim de todas as coisas, entregou-se ao martírio pela salvação da humanidade, pois fez exatamente o oposto do que fez o primeiro homem: obedeceu. Na obediência radical a Deus Pai, o Cristo desatou o nó da desobediência de Adão e nos reconciliou com a Fonte da Vida.

Da mesma forma, ensinam os santos Padres, pela obediência da Virgem, desatou ela o laço de desobediência de Eva, que lançou a humanidade na danação. A partir daí, a fidelidade, que se reflete na obediência a Deus, passou a ser a marca principal daquele que crê. Ela é o melhor remédio para os males que o Pecado Original deixou em nossa natureza: orgulho, vaidade, presunção, autossuficiência, exibicionismo, apego desordenado aos prazeres carnais, etc.

O profeta afirma: a obediência é superior ao sacrifício (1Sm 15,22). Tomas de Kempis, em "Imitação de Cristo" (download aqui), assegura que "obedecer é muito mais seguro do que mandar" (9,1). No pátio da Academia Militar das Agulhas Negras encontra-se escrito, em local bem visível, para que os cadetes leiam todos os dias: "Cadete, ide comandar, aprendei a obedecer!". Se a obediência entre os homens, para a convivência em sociedade, já é tão útil e necessária, quanto mais para com Deus.

A outra característica da fidelidade a Deus é o firme propósito de servir-Lo sempre, com perseverança e reta intenção, mesmo nos momentos mais difíceis. Como agrada a Deus o filho fiel! O profeta diz: "O SENHOR guarda os passos dos que lhe são fiéis" (2Sm 22,26). E o Senhor Jesus, na parábola: "Muito bem, servo bom e fiel! Sobre o pouco foste fiel, sobre o muito te colocarei. Vem alegrar-te com o teu Senhor!" (Mt 25,21). – Tudo o que recebemos de Deus nesta vida é este pouco sobre o qual é testada a nossa fidelidade.

Jesus disse aos Apóstolos na última Ceia: "Se me amais, guardareis os meus Mandamentos" (Jo 14,15). Portanto, amar a Deus, mais do que um sentimento, é uma decisão: guardar os Seus Mandamentos, cumprir a sua Vontade. "Nem todo aquele que diz, Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas aquele que faz a Vontade de meu Pai" (Mt 7,21).

Amar a Deus é viver os Seus ensinamentos. O Senhor nos deixou sua Igreja para que sua Vontade fosse expressa e objetivamente conhecida, e não ficasse ao sabor do julgamento subjetivo de cada um. Ele garantiu à sua Igreja que o Espírito Santo a conduziria "a toda a verdade" (Jo 16,13), e que a voz da Igreja é a sua Voz: "Quem vos ouve (Apóstolos = Igreja), a Mim ouve; quem vos rejeita, a Mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita Aquele que me enviou” (Lc 10,16).

Ser fiel ao Senhor, portanto, é ser fiel à Sua Igreja, e a tudo aquilo que ela ensina. O Papa Paulo VI disse certa vez que “quem não ama a Igreja, não ama Jesus Cristo”. Uma afirmação totalmente racional, pois a Igreja é o Corpo de Cristo. Quem não é fiel à Igreja, não é fiel a Jesus Cristo, simples assim. Não há tolice maior do que dizer que "a Igreja não é importante, o que importa é seguir Jesus", pois quem não segue à Igreja não segue Jesus Cristo. A Igreja é a Presença do Cristo prolongado na história dos homens. Quando se toca a Igreja, toca-se o próprio Senhor; quando se está na Igreja, se está no Corpo Místico do Senhor.

A fidelidade está diretamente ligada, também, à perseverança e à paciência. O grande São João da Cruz ensinava: “A constância de ânimo, com paz e tranquilidade, não só enriquece a pessoa, como a ajuda muito a julgar melhor as adversidades, dando-lhes a solução conveniente”. – Mas para que haja serviço a Deus, perseverante e alegre, e para que possamos amar e cumprir os seus Mandamentos, é preciso uma vida de piedade, vigilância e oração: sem estas coisas, a alma esfria. Quando a alma esfria, o inimigo se aproxima dela para vencê-la pela tentação.

Não seremos julgados por nossa capacidade intelectual e nem pela grandeza das nossas obras, mas, como disseram os santos, pela pureza do nosso amor a Deus e pela nossa perseverança. Jesus garantiu que diante de todas as adversidades que ainda virão (e tudo indica que serão muitas e grandes), “quem perseverar até o fim será salvo” (Mt 24,13).

Postagens mais visitadas deste blog

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …