Pular para o conteúdo principal

Invasão islâmica mundial



O QUE ACONTECERIA se o bebê George, futuro rei da Inglaterra, se convertesse um dia a uma religião não cristã? O arcebispo da Cantuária, líder anglicano que celebrou o batismo do menino, disse que não se importaria se isso acontecesse (conf.: Daily Mail). Os próprios pais do menino, aliás, raramente vão à igreja, assim como seu avô, o Príncipe Charles. Essa é a família real perfeita para representar a fé, – ou a falta dela, – no Reino Unido, em que apenas 8% das pessoas entre 30 e 50 anos frequentam a igreja anglicana assiduamente.

A igreja anglicana [que teve origem num ato de adultério], fundada graças aos caprichos de um rei lascivo, oferece ao povo britânico um cristianismo aguado, afundado em heresia e relativismo. Não surpreende que essa caricatura triste e vazia do catolicismo já não convença mais quase ninguém. E é neste vácuo espiritual que o islamismo, uma religião de fortes convicções, está encontrando espaço e criando raízes.

Muitos pensam que o radicalismo islâmico ameaça o mundo somente por meio da ação de grupos armados. Grande engano! A jihad ganha força e se espalha no Ocidente especialmente por meio da dominação cultural. Essa realidade medonha já se delineia com traços fortes em toda a Europa, e de modo especial na Grã-Bretanha, onde a minoria muçulmana faz pressão constante para impor suas crenças e costumes.



Os britânicos carregam uma forte culpa pelo seu passado imperialista. Agora, pendendo para o outro extremo da mentalidade de dominação, estão dispostos a renunciar a seus valores e cultura em nome do multiculturalismo. Essa é uma ideologia de esquerda que prega que todas as culturas devem ser igualmente valorizadas, promovidas e protegidas pelo Estado. Assim, em vez de o imigrante se adaptar à cultura do país que o acolhe, o Estado e os nativos desse país é que devem se desdobrar para assimilar a cultura do imigrante.

Na mente dos britânicos está inculcada a ideia de que, se for preciso, os seus costumes podem e devem ser solapados, só para não ofender os “coitadinhos” imigrantes. O problema é que muitos imigrantes ignoram que o respeito é uma via de mão dupla. E ocorrem aberrações como as cenas mostradas no vídeo abaixo, em que uma cidadã britânica assiste pelas ruas de sua cidade, estarrecida, uma marcha de centenas de muçulmanos gritando “Reino Unido, vá para o inferno” e dizendo que mulheres sem burca são um bando de sem-vergonhas. A moça britânica, pau da vida e muita corajosa, tenta explicar aos manifestantes que é inaceitável que estrangeiros insultem os nativos daquela forma.


"Não a democracia! Queremos somente o islam!"

Mas o "mundo fofo" dos multiculturalistas está começando a desabar. Em junho deste ano, o ministro da Educação britânico, Michael Gove, denunciou um esquema armado por muçulmanos para impor o islamismo nas escolas e controlar a rede de ensino. Eles vêm infiltrando professores e diretores nas escolas. Quando conseguem isso, passam a perseguir os alunos e professores não-muçulmanos, até que eles sejam expulsos ou peçam demissão.

Esse desastre já vem ocorrendo há mais e dez anos, mas o governo, de modo intrigante, fazia vista grossa (conf.:Diário Digital e The Telegraph).

Na Escócia, 30 crianças não-muçulmanas da Parkview Primary School tiveram que visitar uma mesquita (conf.:Gatestone Institute). Chegando lá, foram instruídas [constrangidas] a recitar a declaração de fé maometana: “Não há deus senão Alá e Maomé é seu mensageiro” (vídeo abaixo). Tudo isso sob a desculpa politicamente correta de conhecer os valores e crenças diferentes para poder melhor respeitá-los. Agora imaginem o alvoroço que os muçulmanos fariam se soubessem que trinta crianças maometanas haviam sido levadas para uma igreja e instruídas a recitar o Credo…



Em Londres, no distrito de Tower Hamlets, 85 das 90 escolas proibiram o consumo de carne de porco, apenas para atender ao desejo da minoria muçulmana, que considera pecado consumir esse alimento. Em Nottingham, uma escola primária, – a Greenwood Primary School, –cancelou a peça de Natal para que não interferisse em um festival maometano (Daily Mail)!

Ainda em Tower Hamlets, os muçulmanos ameaçam com morte mulheres sem véu e gays. Nos postes e outros locais de evidência do bairro, eles chegaram a fixar cartazes com o seguinte aviso: “Você está entrando em uma zona controlada pela Shária. Regras islâmicas são aplicadas” (Daily Mail).

Tudo isso já parecia suficientemente absurdo, até que… Neste mês, vieram à tona os casos (atenção) de 1.400 menores brancas britânicas abusadas sexualmente e traficadas para prostituição por muçulmanos, pelo país inteiro. De 1997 a 2013, – por longos e inacreditáveis dezesseis anos, – as autoridades da cidade de Rotherham nada fizeram para deter os criminosos!

Muitas das vítimas foram à polícia denunciar os agressores (entre elas, meninas de 11 anos que haviam sido estupradas por vários homens), mas as autoridades fizeram corpo mole com as investigações e não tomaram nenhuma providência! O problema era, simplesmente, que os suspeitos eram quase todos muçulmanos paquistaneses! E aquilo que um cidadão britânico teme mais que o inferno é ser acusado de racismo; se isso acontecer, ele pode perder o emprego, a guarda dos filhos, a respeitabilidade.

...E tal medo não é exagerado. Tudo lá naquelas bandas [qualquer semelhança com cultura de classes marxista impetrada no Brasil pelo governo PT não é mera coincidência] é motivo para alguém ser chamado de “racista”. Recentemente, uma menina inglesa foi denunciada por sua própria professora por crime de racismo (!) apenas porque pediu para se sentar do lado de outra colega de classe, já que a menina ao seu lado não falava a sua língua e ela tinha dificuldades para se comunicar com ela.

Não querendo "arrumar sarna para se coçar", as autoridades de Rotherham se omitiram, para não serem acusadas de associar a escravidão sexual de menores a uma etnia específica. Como bem disse o escritor português João Pereira Coutinho, a lógica dessa gente é: “Melhor pedófilo que racista”.

Ainda sobre a islamização do Reino Unido, o blog “Islamidades” tem um post muito interessante sobre a forte ligação do Príncipe Charles com o Islã (veja aqui).


O gravíssimo problema, porém, – que por certo é a concretização de um grande castigo divino sobre a humanidade inteira, – não é só da Inglaterra; é mundial. É, sim, mais grave na Europa, mas o objetivo islâmico é, declaradamente, a conquista mundial; o Brasil não fica de fora. Há alguns anos, a justiça brasileira retirou doYouTube um vídeo sobre islamização da Europa. O grupo "Comunidade Eclesial" e uma igreja batista de São Paulo foram judicialmente notificados e obrigados a retirar de circulação um vídeo sobre a islamização da Europa (saiba mais). Como a internet, ao menos por enquanto, é indomável (o governo já se move com ações concretas para controlar a rede, também, num curto prazo), você pode assistir o referido vídeo abaixo (até que nós também sejamos amordaçados). Assista com atenção, e trema:



Enquanto isso, os líderes da Igreja de Cristo estão muito ocupados promovendo ações em prol do ecumenismo, do diálogo fraterno com todas as religiões, da abertura cada vez mais ampla e irrestrita para o mundo, na garantia do direito de liberdade religiosa do indivíduo... Oremos, irmãos, porque algo grande está para acontecer, e não será nada fácil suportar os anos que estão por vir.

____
Fonte:
Artigo "Da Rainha ao Califa: a islamização do Reino Unido", do site "O Catequista", disponível em:
http://ocatequista.com.br/archives/13943
Acesso 18/9/014

Postagens mais visitadas deste blog

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …