Pular para o conteúdo principal

Brevíssima reflexão sobre a Lei Moral Universal



UMA PREMISSA básica da doutrina cristã é a que afirma que todo indivíduo humano naturalmente sabe o que é certo e o  que é errado, devido a uma lei moral presente no seu interior e que sempre existiu em todas as culturas.

Imaginemos um homem "A" que hipoteticamente achasse "certo" furtar um homem "B", – se esse homem "B" tivesse mais dinheiro do que precisasse, e se o homem "A" estivesse verdadeiramente precisando muito de dinheiro (digamos, para suprir suas necessidades mais básicas, como alimentação e vestuário). – O furto, num caso como este, poderia ser aceito como moralmente certo? Ou apossar-se de qualquer coisa que não lhe pertença, não importando as circunstâncias, é sempre moralmente errado? Independente da resposta, quem poderia julgar o homem "A" pelo seu ato?

Digamos que eu dissesse que a necessidade não justifica o crime, que continua sendo um crime de qualquer maneira, e que aquele homem "A" poderia e deveria procurar outros meios para resolver os seus problemas. Mas digamos que você, leitor, discordasse de mim, alegando que um fim bom (resolver os problemas reais e urgentes do homem 'A') poderia justificar um meio ruim (o furto). Quem estaria com a razão? E quem poderia definir quem tem razão?

Se não tivermos um ponto de referência moral, o que você pensa não será mais certo nem mais errado do que aquilo que eu penso. Caímos no relativismo absoluto. – Este relativismo moral, que parece prevalecer na mentalidade do mundo atual e que nos coloca uma questão fundamental, que já foi matéria de reflexão dos grandes pensadores da humanidade: haverá uma Lei Moral Universal?

Conduzimos nossas vidas de acordo com o nosso senso de certo e errado. De alguma maneira, possuímos a consciência do que devemos fazer. Quando falhamos em fazer o que entendemos que "deveríamos", uma parte bem específica de nossa mente, que chamamos de consciência, evoca um sentimento desagradável que chamamos de "culpa". Será que esse sentimento – presente em todos os indivíduos (a não ser, hipoteticamente, nos psicopatas), – é indicação para uma Lei Moral que nos foi dada pelo Criador Universal? Ou será que isso é reflexo, simplesmente, do que nos foi ensinado por nossos pais e educadores?

Nossa consciência influencia as decisões que tomamos ao longo de todo o dia. Se descobríssemos, numa estação rodoviária ou aeroporto, uma maleta cheia de dinheiro junto com endereço e telefone do dono, teríamos que decidir entre devolver a pasta ou guardá-la, e o faríamos conforme o nosso código moral. A maioria das religiões diriam que a atitude certa seria devolver a maleta, porém mesmo uma pessoa que não tem religião experimentaria um impulso para devolver o dinheiro. E mesmo aquele que resolvesse não devolver trataria de arranjar alguma desculpa para si mesmo, para poder ficar com o dinheiro. Essa pessoa poderia pensar: "quem perdeu isso tem mais do que eu", ou "estou precisando desse dinheiro", ou ainda "vou fazer bom uso dele"... E mesmo assim, certamente experimentaria algum "peso na consciência". Por quê? Por que é tão difícil simplesmente ficar com o dinheiro e aproveitá-lo sem pensar em mais nada, sem se importar com quem o perdeu ou com as consequências, imediatas e práticas ou transcendentais, do ato em si?

De onde vem esse código moral natural e universal? Ele não influencia apenas o nosso comportamento, mas influencia também a maneira como nos sentimos ao agirmos de determinada maneira. Os Dez Mandamentos do Antigo Testamento e os Dois grandes Mandamentos de Jesus Cristo (amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo) representam o ápice e o resumo perfeito de tudo aquilo que a humanidade já conseguiu desenvolver, até hoje, como regra de conduta social, mas o método científico simplesmente não pode responder à questão da Lei Moral Universal, assim como jamais poderia ser a fonte de todo o conhecimento do Universo.

A Lei Moral Universal encontra expressão não apenas nos textos sagrados, mas também no mais profundo de nossas consciências. Essa Lei, para muitos grandes pensadores, é um dos sinalizadores que apontam para a existência de um Criador, de uma Força Inteligente por trás do Universo físico. C. S. Lewis disse que temos duas sólidas fontes de evidências para a existência de um Deus Criador: "Uma é o universo que Ele criou... a outra é a Lei Moral que Ele pôs em nossas mentes".

Também o filósofo alemão Immanuel Kant apontou para a "Lei Moral dentro de nós" como um testemunho poderoso da grandeza de Deus. Ambos parecem corroborar o que disse Deus pela boca do Profeta: "Na mente lhes imprimirei as minhas Leis, assim como no coração lhas escreverei" (Jeremias 31,22).

«A lei moral é obra da Sabedoria divina. Podemos defini-la, em sentido bíblico, como uma instrução paterna, uma pedagogia de Deus. Ela prescreve ao homem os caminhos, as regras de procedimento que o levam à bem-aventurança prometida e lhe proíbe os caminhos do mal, que desviam de Deus e do seu amor. E, ao mesmo tempo, firme nos seus preceitos e amável nas suas promessas.

A lei é uma regra de procedimento emanada da autoridade competente em ordem ao bem comum. A lei moral pressupõe a ordem racional estabelecida entre as criaturas, para seu bem e em vista do seu fim, pelo poder, sabedoria e bondade do Criador. Toda a lei encontra na Lei eterna a sua verdade primeira e última. A lei é declarada e estabelecida pela razão como uma participação na providência do Deus vivo, Criador e Redentor de todos. 'Esta ordenação da razão, eis o que se chama a lei' 1.

'Entre todos os seres animados, o homem é o único que pode gloriar-se de ter recebido de Deus uma lei: animal dotado de razão, capaz de compreender e de discernir, ele regulará o seu procedimento dispondo da sua liberdade e da sua razão, na submissão Àquele que tudo lhe submeteu'»2.
(Catecismo da Igreja Católica, §1950-1951)


** Veja o que mais o Catecismo da Igreja Católica diz sobre a Lei Moral


__________

1. Leão XIII, Enc. Libertas praestantissimum: Leonis XIII Acta 8. 218: São Tomás de Aquino, Summa theologiae, 1-2, q. 90. a. 1: Ed. Leon. 7, 149-150.

2. Tertuliano, Adversos Marcionem, 2, 4, 5: CCL I. 479 (PL 2, 315).

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …