Pular para o conteúdo principal

MINISTÉRIO DO INTRODUTOR DO CATECUMENATO






Sobre o ministério do(a) introdutor


• alguém “que o conhece [o interessado],
ajuda
e é testemunha de seus costumes, fé e desejo” (n. 42).
• junto com a comunidade,
ajuda-os “a encontrar e a seguir a Cristo” (n. 77).
— Trata-se de um ministério de “ajuda”,
semelhante ao dos padrinhos.
Começa no pré-catecumenato,
é ativo em todo o seu desenrolar
e, se for o caso,
é substituído pelo padrinho ou madrinha
apenas no final do catecumenato.
— O ritual dá preferência que o próprio introdutor
venha a ser o padrinho (n. 42).
— O padrinho é escolhido “por seu exemplo,
qualidade e amizade,
e delegado pela comunidade cristã local
com a aprovação do sacerdote” (n. 43).


A missão do padrinho (e do introdutor):
“ensinar familiarmente (...)
como praticar o evangelho
em sua vida particular e social,
auxiliá-lo nas dúvidas
e inquietações,
dar-lhe testemunho cristão”
e, depois da celebração dos
sacramentos,
“velar pelo progresso
de sua vida batismal” (n. 43).


Quem é o introdutor?
Semeador que prepara o terreno para que a fé possa florescer e dar frutos.
= Anuncia o querigma, com seus principais conteúdos
O introdutor é o evangelizador que encaminha aqueles que querem se preparar para receber os Sacramentos da Iniciação Cristã.
O introdutor atua na fase do PRÉ-CATECUMENATO. Amigo de caminhada que ajuda o simpatizante a abrir o coração ao amor e à graça de Deus!
Porque a Igreja precisa formar cristãos verdadeiramente convertidos, que testemunhem no dia-a-dia a sua fé
Como continuar concedendo os Sacramentos àqueles que, apesar do ‘curso’, não demonstram mudança de vida e de mentalidade, enfim, não alcançaram a maturidade na fé?”
E eu, como cristão e introdutor, busco minha conversão diária e
um amor sempre maior a Deus e ao próximo???
Em todas as pastorais, associações e movimentos. Em especial, naqueles que recebem pessoas ainda não evangelizadas, devem haver introdutores.
É significativo que a Iniciação cristã seja uma espécie de catalizadora da Pastoral de Conjunto, já que o Batismo é a fonte de toda vida e missão cristãs.
Um INTRODUTOR se caracteriza
(1) por ser uma pessoa de fé bastante firme, reconhecida por toda a comunidade
(2) que já tenha recebido os Sacramentos da Iniciação Cristã: Batismo, Eucaristia e Crisma,
Um INTRODUTOR se caracteriza
(3) por ser um participante ativo na vida da comunidade,
(4) por ser constante na vida litúrgica e assíduo à confissão sacramental e à comunhão eucarística
Um INTRODUTOR se caracteriza
(5) Por ser uma pessoa orante,
(6) atenta à Palavra de Deus e ao que esta Palavra nos comunica nos fatos da vida cotidiana, atenta à mensagem de Deus a si mesmo e aos irmãos,
Um INTRODUTOR se caracteriza
(7) por ser fiel ao Magistério da Igreja com seus ensinamentos e dogmas, e não aos seus “achismos”
(8) que respeite as pessoas, independentemente da origem ou posição religiosa
Um INTRODUTOR se caracteriza
(9) por ser uma pessoa amiga dos irmãos e irmãs; que não seja dada a fofocas e inimizades;
(10) por ser solidário com os mais necessitados, pobres, doentes, enfim, com todos que procuram ao Cristo
Um INTRODUTOR se caracteriza
(11) Por ser aberto à religiosidade popular,
(12) e simples no relacionamento pessoal.
Introdutor não é...
Ministro do acolhimento
catequista
psicólogo
É o amigo que, partilhando sua própria experiência, vai ajudar o candidato a caminhar na fé e a firmar uma relação pessoal com Deus e com a comunidade
O introdutor precisa estar pronto para se deparar com as seguintes situações delicadas:
Abertura ao diálogo ecumênico e interreligioso: saber lidar, com respeito, com os advindos de outras práticas religiosas.
Estar pronto para tirar as dúvidas e avaliar constantemente, se a pessoa já está deixando aos poucos suas antigas crenças.
Esclarecer sobre as possíveis dificuldades ou impedimentos para que o adulto possa prosseguir, especialmente, na questão conjugal.
O Espírito Santo nos iluminará nesta missão!


Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …