Pular para o conteúdo principal

O Marquês de Sade foi coerente: sem Deus, só resta a exaltação ilimitada de si mesmo E todo absurdo e despropósito fica liberado



UNIONE CRISTIANI CATTOLICI RAZIONALI


geoffrey-rush-in-quills-xlarge


“O único Deus que existe e que faz sentido adorar é a imagem exaltada do próprio Eu. Não é este o retrato do homem hipermoderno?”. O convite à reflexão é do psicanalista italiano Massimo Recalcati.
Sem Deus, afinal, o homem moderno se concebe inevitavelmente como deus de si mesmo e, por coerência, como um ser sem limites. Massimo Recalcati prossegue: “Ele age como um deus do hedonismo, que julga cada experiência de renúncia como coisa sem sentido. ‘Por que não?’ é a sua máxima moral, que chuta violentamente a moral ‘inútil’ do amor sacrificial pelo próximo”.
Se existe apenas esta vida, a verdadeira liberdade é a ausência de qualquer limite, de qualquer privação.
Recalcati menciona, a este propósito, o Marquês de Sade. “Não existe pecado”, escreveu o marquês em 1782, quando estava na prisão de Vincennes; só existem “necessidades pré-ordenadas pela natureza ou consequências inevitáveis” (cf. “Diálogo entre um padre e um moribundo”). Na mesma linha, hoje, o filósofo ateu Joel Marks repete: “Não existem ‘pecados’ literais no mundo porque não existe literalmente Deus, nem, portanto, toda a superestrutura religiosa que incluiria categorias como o pecado e o mal. Nada é literalmente certo ou errado porque não existe nenhuma moralidade”.
Para o Marquês de Sade, que foi perpetrador em série de estupros e de violências (o “sadismo” recebeu esse nome precisamente em sua “honra”), não faz sentido impor limites à busca do prazer porque o prazer é o principal impulso da nossa natureza animal pré-determinada. As paixões e os prazeres desenfreados, escreveu, “nada mais são que os meios de que se serve a natureza para levar o homem a realizar os desígnios que ela tem para ele” (cf. “A filosofia na alcova”).
O filósofo católico Roberto Timossi comenta: “Se Deus não existe, então não há substâncias espirituais; só há matéria sensível e, portanto, o prazer corporal é o único verdadeiro propósito da existência humana. Para o Marquês de Sade, não se pode ser ateu e não ser imoral” (cf. “No signo do nada”). O hedonismo é, assim, o único valor verdadeiro, porque, sem Deus, quaisquer limitações à própria satisfação representam um fracasso da autorrealização do deus-homem.
Sempre nos intrigou a posição filosófica de Sade porque a consideramos, talvez, a mais coerente para quem quer viver prescindindo totalmente de Deus: não existe nenhum bem, nenhum mal, nenhuma inexplicável e contraditória moral laica. Somente o Eu, que busca a satisfação contínua dos seus impulsos, dos seus instintos, e que vive de acordo com eles – até porque todo gesto altruísta, que olha para além de si mesmo, pressupõe um valor no outro que não pode subsistir razoavelmente numa visão do homem como mero resultado imprevisto do acaso cego da seleção natural. Tanto que o marquês escreveu: “O destino de uma mulher é ser como uma cadela ou uma loba: ela deve pertencer a todos os que a quiserem” (cf. “A filosofia na alcova”). É o ser humano reduzido ao animal, perfeitamente em sintonia com as tentativas do neo-darwinismo reducionista.
O Marquês de Sade, embora seja hoje celebrado em Paris com mostras ditas culturais, foi claramente um louco criminoso. Mas o interessante é que o princípio teórico da sua posição existencial é a expressão de um ateísmo radical e, no fim das contas, coerente com seu próprio absurdo: o único sentido desta vida sem sentido só pode ser a busca desenfreada e sem limites da própria sanha implacável de prazer. “O que seria a vida do próximo diante da lei absoluta do prazer?”, pergunta, adequadamente, Massimo Recalcati. “Nada. O único Deus que existe e que faz sentido adorar é a imagem exaltada do próprio Eu. Não há próximo algum, a não ser o próprio Eu”.
“Quando o ateísmo pedir mártires, diga: o meu sangue está pronto!”, escreveu Sade em 1797 (cf. “Nouvelle Justine“). No entanto, até mesmo o “divino marquês”, depois de ter realizado plenamente todas as suas perversões, viria a reconhecer o real fundamento da sua existência: “o nada”, declarou ele no “Diálogo entre um padre e um moribundo”.
O nada é a única alternativa a Deus. Não há meio termo.

Postagens mais visitadas deste blog

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …