Pular para o conteúdo principal

O problema da Igreja Católica são os próprios católicos

Por Felipe Marques – Fraternidade São Próspero





[Se você tem certeza de que já é santo e vive perfeitamente a vida cristã, se considera que está 'salvo' ou se pensa que, por ser Deus amor, então não é preciso aperfeiçoar-se e nem buscar o crescimento espiritual, não leia este artigo: ele contém exortações que não servem para você]


TALVEZ O TÍTULO desse artigo escandalize alguns dos leitores; talvez alguns queiram lê-lo somente por curiosidade; enfim, esse artigo é direcionado às pessoas de boa vontade, católicos acomodados ou que pensam estar em um alto grau de santidade e que por nutrir pensamentos como este, não se dão conta dos perigos do orgulho e da vaidade.


Afirma-se, acertadamente, que aquele que diz: “Eu sou humilde”, já demonstrou, da forma mais clara e direta possível, que não é o que diz ser! Como ensina São Paulo: “Portanto, quem pensa estar de pé veja que não caia” (I Cor 10, 12).


Você católico, nunca perca de vista que todos nós somos pó e que ao pó voltaremos (Gn 3, 19). Essas afirmações são feitas logo de início, porque hodiernamente uma das coisas mais fáceis de encontrar – principalmente nas redes sociais – é o julgamento desmedido e injusto [que fique bem claro aqui: não sou o que chamam “católico jujuba” e não defendo a postura "politicamente correta"; visto que se eu o fosse, nem esse texto seria escrito e nem eu seria católico].

Retomando: o julgamento injusto lançado aos quatro ventos sem objetivo de frutificação nem intenção de ganhar o irmão para Cristo (Mt 18, 15) é uma das infelizes realidades que devemos combater, e resulta muitas vezes do orgulho. Hoje, talvez muito mais do que antigamente, é preciso ser humilde.

Não é minha intenção censurar a correção fraterna, muito menos a divulgação de notícias verdadeiras e que podem ajudar muitos fieis a não serem enganados. A intenção aqui é que você, católico, deixe de ser um hipócrita sem-vergonha, ou que pelo menos lute contra isso! Não quero que você feche os olhos para os problemas no mundo, mas que abra-os com mais vigor para os problemas dentro de você. Pois, é muito fácil levantar bandeiras contra o aborto, e no fim de semana continuar dormindo com a namorada; ou continuar assistindo pornografia; continuar com a masturbação e a impureza; continuar com as fofocas... Concluindo: é fácil se preocupar somente com as atitudes externas e esquecer-se da vida interior! Esquecer-se que antes de converter alguém, você precisa se converter.

Lutar contra o aborto, por exemplo, é algo bom e um dever do católico, assim como lutar contra a injustiça e contra as drogas; essas atitudes devem ser motivadas – essas atitudes são boas e eu as apoio – entretanto, de nada vale preocupar-se somente com aquilo que é externo (por mais importante que seja) e deixar a própria alma perder-se e/ou tornar-se embotada pelo pecado. Você tem dúvida disso? Ora, veja o que o próprio Cristo ensina: “Pois que aproveitará ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder a sua vida (alma)? ” (Mc 8, 36)

Não adianta, em sua presunção e vaidade, pensar que você vai conquistar o mundo inteiro para Cristo, se você é incapaz de lutar para conquistar a si mesmo. É óbvio que ninguém pode dar a outrem aquilo que não possui. Logo, como você quer dar-se ao Senhor Jesus, que ensina que devemos amá-Lo de todo coração, com toda alma, com todo entendimento e com todas as forças (Lc 10, 27) se você não é, sequer, senhor de si?
Você é escravo dos mais absurdos pecados e mesmo assim ousa ainda levantar-se contra a Igreja Católica, contra os seus santos ensinamentos e contra aqueles que lutam para ter uma vida santa? Realmente, o padre Francisco Faus estava mais que correto quando afirmou: "Nenhum de nós comete a tolice de dizer com a boca: 'Eu sou Deus', mas muitos de nós o dizemos com a vida…".

O problema da Igreja é você, que pensa da seguinte forma ou diz frases como as que seguem: “Sou católico, mas não concordo com tal coisa que a Igreja ensina...”; “Sou católico, mas não vivo a castidade...”; “Sou católico, mas continuo com os mesmos pecados de 'estimação'...”. Será que muitos não percebem que, justamente, o fato de não avançarem na vida em Cristo se deve aos “mas” que acrescentam logo depois de dizer: “Sou católico ”?


Pretendo que você, caro leitor, não pense que será fácil o caminho de santidade, pois lutar contra o pecado – contra o “homem velho” – é algo que deveremos fazer até a morte! Quero justamente que você saiba que deve lutar externamente e também interiormente sem “mas” e sem reservas. Ademais, para os católicos não há dicotomia nessas duas realidades. Você não é católico apenas no domingo; é necessário ter uma Unidade de vida que, por refletir Cristo que habita em cada cristão, deverá iluminar o seu trabalho, os seus estudos e a sua família.


Não desanime! Nunca desista de lutar contra os inimigos do mundo e nunca desista de lutar contra aquilo de mundano que há em você! Aprofunde-se na Doutrina católica, reze mais, busque intimidade com Deus, clame pela ajuda da Santíssima Virgem, lute para ser obediente ao que a Madre Igreja ensina, vá se confessar com mais frequência... É certo que nem todas batalhas serão vencidas, mas, diante de Deus, seremos cobrados pelas cicatrizes da luta! Devemos fazer violência, sim! Porém, violência contra nós mesmos, pois “desde a época de João Batista até o presente, o Reino dos Céus é arrebatado à força, e são os violentos que o conquistam” (Mt 11,12).


É muito fácil falar que a catequese é uma porcaria, que a liturgia é pessimamente celebrada, que muitos se perdem por falta de conhecimento... Fazendo isso do conforto do seu sofá! Quando o Papa Bento XVI reinava, muitos tentavam apontar diversos problemas em seu pontificado e na forma como ele conduzia o Rebanho; hoje, o Papa Francisco também recebe esses apontamentos e a pergunta que me faço é: será que todos os que acusam os erros alheios estão também acusando os próprios erros? Estão acusando-se a si mesmos? Óbvio que é muito cômodo vigiar os demais, quando na realidade deveríamos estar vigiando a nós mesmos. Apontar para si mesmo e para os próprios erros deve provocar em cada pessoa uma mudança para melhor, uma correção, e isso dói. Não querer mudar é a razão de muitos evitarem o autoconhecimento.


Não tenha medo de clamar a Deus o perdão, não tenha vergonha de humilhar-se diante d’Aquele que É (Ex 3, 14), e pedir ajuda para mudar, pois você é um miserável e a justiça começa quando o homem se reconhece miserável e acusa-se a si mesmo. Todas as ameaças que a Igreja sofre por parte dos muçulmanos, dos comunistas e dos globalistas não prevalecerão se os católicos sempre lutarem por santidade; como consequência dessa luta interior, esses mesmos católicos irão naturalmente lutar contra as ameaças exteriores. Porém, se os católicos continuam obstinados no pecado, a vitória tardará cada vez mais! Mesmo com os pecados dos fiéis, jamais perca a esperança na Igreja De Cristo, e nisso o papa Bento XVI nos ajuda e muito com a seguinte frase: “O mal fará sempre parte da Igreja. Aliás, se se considera tudo o que os homens – e o clero – fizeram na Igreja, isso se transforma numa prova a mais de que é Cristo que sustenta e que fundou a Igreja. Se dependesse somente dos homens, ela já teria afundado há muito tempo!”[1].


Que sua confiança não esteja nos homens; muito menos em si mesmo! Confie em Jesus Cristo, ora et labora, lute sempre por santidade e você estará verdadeiramente ajudando a Igreja Católica. Que seu exterior seja um resultado da sua vida interior com Cristo, e não o contrário! Que você possa amar o Senhor de fato, rasgando seu coração e não as suas vestes (Jl 2, 13) e que ao cair e distanciar-se devido ao pecado, volte todas as vezes para casa, como fez o filho pródigo!


Munda cor meum ac lábia mea, omnípotens Deus!




_____
1. Em entrevista concedida ao jornalista Peter Seewald no livro 'Luce del mondo. Il Papa, la Chiesa e i segni dei tempi', em 2010.


http://www.ofielcatolico.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …