Pular para o conteúdo principal

Iniciação à vida de Cristã: mergulho no “Mistério de Cristo”




Somos convidados a olhar para o mistério cristão como um acontecimento que nos revela o plano divino da Salvação que Deus realiza na história da humanidade. Antes de ser uma doutrina, o “mistério” é um acontecimento oferecido como salvação a todos os seres humanos. Esse mistério de Deus chega à plenitude em Jesus de Nazaré e é anunciado na comunidade dos discípulos, até sua vinda gloriosa.


Absorvemos esse mistério de Deus que chega até Jesus de Nazaré, como o próprio Cristo que se fez sacramento de Deus. Ele é o Proto, o primeiro sacramento de Deus. Sofrendo a morte de cruz e ressuscitando, ele retorna ao Pai e envia seu Espírito para a Igreja nascente, fazendo dela sacramento dele. Assim, a Igreja é a continuação desse Sacramento (por isso ela é visível: para continuar a mesma economia salvífica divina). Ela nos oferece os sacramentos que provêm da vida do Cristo (Batismo, Crisma e Eucaristia) nos fazendo assim, sacramento do próprio Cristo.


Enquanto Jesus estava vivo, os apóstolos o acompanhavam e outros sacramentos não se faziam necessários, pois Ele era o Sacramento vivo, em pessoa. Com os eventos da paixão morte e ressurreição de Jesus, os apóstolos passam a compreender verdadeiramente quem era o Jesus que esteve com eles: o Cristo, Filho do Pai, o amor salvífico do Pai que veio até nós. No momento em que a humanidade visível de Jesus se subtrai aos nossos olhos, nasce a Igreja. Assim, a Igreja nasce com a efusão do Espírito Santo. Nesse sentido a Igreja é a prolongação da humanidade de Jesus.


No século primeiro, entre os cultos pagãos, havia a “religião de mistérios”, como os mistérios de Elêusis e os mistérios órficos, que prometiam aos iniciados uma vida melhor após a morte, pela prática de uma forma ascética de vida. Acreditavam em sucessivas encarnações, cujo círculo penoso poderia ser rompido pelas práticas religiosas.


Conta a nossa história da Igreja que, por volta do segundo século, quando se inicia a catequese catecumenal, e os pagãos começam a fazer a sua opção para viver esse mistério de fé que é o Cristo ressuscitado, a Igreja, através dos Padres do seu tempo, interpretando o sentido da fé que se fortalecia entre os pagãos, muda o nome “mistério” para “Sacramento” . Essa mudança de nome ajudava os pagãos a fazer sua opção à fé cristã sem confundir com as demais práticas religiosas que eles tinham e eram conhecidas como “mistérios”.


Nesse sentido, foi Tertuliano (+ 220) que aplicou, pela primeira vez e de modo explícito, a palavra sacramentum ao batismo. Com o conceito de sacramentum Tertuliano pôs em relevo a ideia de auto-obrigação pessoal e moral com que se responde ao ato salvífico de Deus, um elemento dialógico importante. Tertuliano foi um prolífico autor das primeiras fases do Cristianismo, nascido em Cartago na província romana da África. Ele foi o primeiro autor cristão a produzir uma obra literária em latim. Ele também foi um notável apologista cristão .


Para Agostinho (+430) Deus estabelece sinais por meio dos quais Cristo comunica a graça da salvação (invisível) no batismo e na eucaristia, unindo um elemento material (visível) a uma palavra que o explica.


No século IV Santo Agostinho aprofunda a teologia do sacramento explicitando que no rito sacramental o elemento material e a palavra constituem sinais visíveis da realidade invisível que é a graça salvífica de Deus presente na ação litúrgica. Ele diz: “Há sacramento em uma celebração quando se faz memorial do acontecimento [de Cristo] de modo que se compreende que alguma coisa é significada e que se deve receber santamente”. A palavra ‘sacramento’ era referida ao batismo e à eucaristia. Mais tarde seu uso foi também estendido aos outros sacramentos. E como o sacramento nos reporta ao mistério pascal salvífico de Cristo, Jesus é o ‘SACRAMENTO’ (MISTÉRIO) da salvação de Deus para a humanidade, a IGREJA, enquanto meio de comunicação da salvação de Cristo, é SACRAMENTO DE CRISTO.


Procurando compreender: Mysterion = sacramentum


• Paulo, em suas cartas, adota o sentido de “segredo oculto em Deus e revelado agora em Jesus Cristo” da palavra mistério:


• Rm 16,25-27: “mistério guardado no silêncio desde os séculos eternos, mas agora manifestado e dado a conhecer a todos os povos pagãos.”


• Ef. 1,9-10: “revelou-nos o mistério da sua vontade […] reunir o universo inteiro em Cristo”


• Cl 1,26-28: Mistério antes escondido, agora revelado para tornar cada um perfeito em Cristo”.


• Cl 4,3: “rezai por nós […] a fim de que eu anuncie o mistério de Cristo”


O “mistério revelado” na encarnação e vida de Jesus é a nossa salvação em Cristo, e que nos é comunicada na Igreja pelo Batismo,Crisma, pela Eucaristia, … pelos SACRAMENTOS. A palavra Sacramento vem do latim sacramentum que é, por sua vez, uma tradução do grego mysterion. Como gestos de Deus em nossa vida, realizam aquilo que expressam simbolicamente. São, portanto:


• Sinais sagrados, porque exprimem uma realidade sagrada, espiritual;


• Sinais eficazes, porque, além de simbolizarem um certo efeito, produzem-no realmente;


• Sinais da graça, porque transmitem dons diversos da graça divina;


• Sinais da fé, não somente porque supõem a fé em quem os recebe, mas porque nutrem, robustecem e exprimem a sua fé;


• Sinais da Igreja, porque foram confiados à Igreja, são celebrados na Igreja e em nome da Igreja, exprimem a vida da Igreja, edificam a Igreja, tornam-se uma profissão de fé na Igreja.


• Do séc. IV ao XII usa-se a palavra “sacramento” para tudo o que se refere ao sagrado.


• A partir do séc. XII começa-se a destacar os sete sacramentos primordiais da Igreja, que são oficialmente assumidos pelo Concílio de Trento em 1547.


Hoje somos chamados a refletir sobre o método da “Mistagogia”. Refere-se a um método que nos leva a compreender o fundamento da Teologia dos Sacramentos da Iniciação Cristã e nos possibilita a sermos conduzidos para dentro do mistério da vida do Ressuscitado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Costumes Matrimoniais nos Tempos Bíblicos: Casamento, Levirato, Violações do Casamento, Pessoa solteira e Divórcio"

Nos tempos bíblicos, o primeiro passo no casamento era dado pelo homem ou por sua família (Gênesis 4:19; 6:2; 12:19; 24:67; Êxodo 2:1). Geralmente, as famílias do casal faziam o arranjo do casamento. Assim Hagar, como chefe da família "o casou [Ismael] com uma mulher da terra do Egito" (Gênesis 21:21). Estando Isaque com quarenta anos de idade, era perfeitamente capaz de escolher sua própria esposa (Gênesis 25:20); no entanto, Abraão mandou seu servo a Harã a fim de buscar uma esposa para Isaque (Gênesis 24). Abraão deu ao servo duas ordens estritas: A noiva não podia ser cananeia, e devia deixar o lar paterno para viver com Isaque na Terra Prometida. Em circunstância alguma devia Isaque voltar a Harã para viver de acordo com o antigo modo de vida da família. O servo de Abraão encontrou a orientação do Senhor em sua escolha (Gênesis 24:12-32). Então, segundo o costume da Mesopotâmia, ele fez os arranjos com o irmão e a mãe da moça (Gênesis 24:28-29, 33). Ele selou o acordo …

SUPORTAI-VOS UNS AOS OUTROS...

Muitas vezes tive que ouvir ou ler interpretações estranhas deste apelo que o Apóstolo Paulo faz à comunidade cristã que vivia em Colossos. Dizem que havia problemas e divisões tão graves dentro da comunidade, que Paulo já nem pode dizer-lhes “Amai-vos uns aos outros!”, mas se fica pelo apelo a que todos se aturem o melhor possível.
“Suportai-vos uns aos outros” não significa “Aturai-vos!”, mas antes “Sede o suporte uns dos outros!” É um apelo à comunhão mais profunda, à solidariedade mais consequente, à presença mais fraterna!

As comunidades de discípulos de Jesus devem nascer da escuta do Evangelho proclamado como um grito pascal que abre as pessoas à Esperança, ao desejo de uma Alegria maior e de uma  Liberdade duradoura...

No centro destas comunidades deve estar a experiência de Deus descoberto progressivamente no encontro com o Jesus dos evangelhos, no encontro com os irmãos, no discernimento dos acontecimentos quotidianos e na celebração  da Vida.
Deve tornar-se um espaço de partilh…

Operações de cocaína e nariz

Médicos clínicas de cirurgia plástica têm muito a dizer sobre os efeitos do uso de cocaína em muitos pacientes, alguns deles bem conhecidos e populares personagens que têm necessidade das mãos experientes do sono cirurgião.Reparação de um nariz consumida por drogas não é tarefa fácil, é uma operação muito complicada e perigosa para a saúde do paciente. Dado o grande aumento que ocorreu nos últimos anos, o presidente da Sociedade Espanhola de Cirurgia Estética apelou aos seus colegas de profissão para ser vigilante e não se deixe enganar pelos clientes de cocaína que vêm à consulta perguntando retocar o nariz ou problemas respiratórios que reivindicam. Quando se trata de comércio, parece que a verdadeira razão do problema e as complicações podem ser fatais e difícil de resolver. Reconstruir um nariz consumida por drogas é um trabalho que exige mãos experientes, seis ou sete horas de cirurgia e várias sessões até que esteja pronto.Os danos que a cocaína faz com que o nariz é terrível, po…